Violência

UFPI denuncia caso de pichação homofóbica à Polícia Federal

Na pichação continha o seguinte escrito "Vamos matar viado” na caixa de descarga e a imagem chocou alunos da instituição e também internautas após ter viralizado nas redes sociais.

Publicada em 11 de outubro de 2018 - 18:56

Imprimir
UFPI denuncia caso de pichação homofóbica à Polícia Federal

Última atualização: 12 , outubro 2018 - 13:25

A Universidade Federal do Piauí (UFPI), por meio da direção do Centro de Ciências Agrárias (CCA), denunciou a Polícia Federal nessa quarta-feira, (10/10), o caso de pichação contendo ameaças contra às pessoas homoafetivas escrita em um dos banheiros do setor.

Na pichação continha o seguinte escrito “Vamos matar viado” na caixa de descarga e a imagem chocou alunos da instituição e também internautas após ter viralizado nas redes sociais.

Segundo a instituição, apesar das pichações homofóbicas, não aceita e não compactua com nenhum atitude criminosa, preconceituosa, misógina, homofóbica e racista e destaca ainda que caso mais alunos sofram algum tipo de ameaça, seja física ou verbal, que formalize as denúncias, inclusive, que registre Boletins de Ocorrência na polícia e informando a ouvidoria da UFPI.

“A UFPI só pode agir com denúncias formalizadas, em que as pessoas não fiquem anônimas, para que providências junto aos órgãos sejam tomadas”, esclarece a superintendência de Comunicação Social da universidade

esclarecimentos

Progressistas nega que Ciro Nogueira é alvo de investigação da PF

Em comunicado, o PP informa que o alvo desta ação, na realidade, foi uma terceira pessoa que não teria qualquer vínculo profissional com o Diretório Estadual do Partido.

Publicada em 27 de setembro de 2018 - 12:42

Imprimir
Progressistas nega que Ciro Nogueira é alvo de investigação da PF

Última atualização: 27 , setembro 2018 - 12:42

Uma operação da Polícia Federal (PF), em cumprimento a mandados de busca e apreensão em alguns imóveis localizados em Teresina, alguns deles supostamente ligados ao senador Ciro Nogueira, causou desentendimento em quem seriam os alvos da investigação. O Partido Progressista negou ainda na manhã desta quinta-feira (27/09), que Ciro estaria envolvido nas investigações.

Em comunicado, o PP informa que o alvo desta ação, na realidade, foi uma terceira pessoa que não teria qualquer vínculo profissional com o Diretório Estadual do Partido. A entidade ainda ressalta que os funcionários colaboraram fornecendo informações solicitadas pelos agentes da PF.

“O senador Ciro Nogueira sempre se colocou à disposição do Poder Judiciário, como o principal interessado no esclarecimento dos fatos”, diz a nota.

NOTA COMPLETA

“Em relação às notícias veiculadas hoje na imprensa sobre supostas diligências nos endereços do senador Ciro Nogueira, em Teresina, informamos que o alvo dessa ação, realizada na sede do Progressistas, NÃO foi o senador Ciro Nogueira, mas sim um terceiro.

Ressaltamos que houve plena colaboração dos funcionários do partido, que forneceram prontamente todas as informações solicitadas pelos agentes.

O senador Ciro Nogueira é o maior expoente do Progressistas, do qual é presidente nacional, e vem usando seu prestígio para trazer benefícios para o Piauí. O trabalho do senador assegurou avanços em todos os setores, tais como ambulâncias para todos os municípios, mais de 40 mil moradias do Programa Minha Casa Minha Vida, perfuração de centenas de poços que levaram água para o semiárido, obras de mobilidade urbana e inúmeras ações obtidas a partir da grande projeção do senador Ciro Nogueira no cenário político nacional.

A atuação do senador Ciro Nogueira projeta o Piauí para o Brasil e devemos focar apenas nisso neste momento em que se aproximam as eleições.

Destacamos, ainda, que o senador Ciro Nogueira sempre se colocou à disposição do Poder Judiciário, como o principal interessado no esclarecimento dos fatos

Progressistas do Piauí”.

OPERAÇÃO

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta quinta-feira (27/09), dois mandados de busca e apreensão em Teresina. Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar os crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

 

Eleições 2018

Após atentado, cada candidato a presidência terá escolta com 25 policiais

A medida foi tomada após atentado contra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, ocorrido na última sexta-feira, (07/09), durante ato da campanha em Juiz de Fora (MG).

Publicada em 10 de setembro de 2018 - 9:46

Imprimir
Após atentado, cada candidato a presidência terá escolta com 25 policiais

Última atualização: 9 , setembro 2018 - 12:00

A Polícia Federal informou nesse sábado, (08/09), que cada candidato a presidência da República contará com 25 policiais em sua escolta. A medida foi tomada após atentado contra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, ocorrido na última sexta-feira, (07/09), durante ato da campanha em Juiz de Fora (MG).

A decisão foi tomada em reunião na sede da Polícia Federal, localizada em Brasília, e contou com representantes de candidatos. como de Álvaro Dias (Podemos), Maria Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Segundo Rogério Galloro, diretor da Polícia Federal (PF), além de aumentar o número de policiais na escolta, de 21 para 25, na reunião foram reafirmados os critérios de atuação, as orientações e os protocolos adotados pela PF.

Atualmente, 80 agentes da PF fazem a segurança de cinco presidenciáveis que solicitaram o serviço, previsto em resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a partir do momento em que as candidaturas são oficializadas nas convenções eleitorais.

 

Operação Topique

Operação prende 21 empresários e dois servidores por fraudes de licitação

Publicada em 2 de agosto de 2018 - 12:45

Imprimir
Operação prende 21 empresários e dois servidores por fraudes de licitação

Última atualização: 3 , agosto 2018 - 12:01

A Polícia Federal, por meio da Operação Topique, prendeu na manhã desta quinta-feira, (02/08), 23 pessoas, sendo 21 empresários e dois servidores públicos da Secretaria de Educação do Piauí (Seduc/PI) pelo crime de fraudes de licitação.  Os nomes dos acusados e nem de empresas não foram divulgados para não interferir nas investigações.

As informações divulgadas pela Polícia Federal, em coletiva de imprensa, apontam a existência de uma organização criminosa que fraudaram licitações e desviaram recursos públicos destinados à prestação de transporte escolar ao Governo do Estado do Piauí e no Maranhão.

Segundo Érica Lobo, superintendente da CGU/PI, foi verificado fraudes de licitações e subcontratação indevida.

“Verificamos que houve fraude de licitações. 60% do valor efetivo era repassado as empresas e 40% ficavam com os criminosos e também, subcontratação integral, quando a empresa contratada não presta o serviço e ainda recebe o valor. A CGU continuará fiscalizando o destino dos recursos federais”, pontuou.

40 PREFEITURAS ENVOLVIDAS

O delegado da Polícia Federal Leonardo Portela informou que  40 prefeituras estão envolvidas na organização criminosa.

“Essa organização funcionava com a formação de um grupo de empresas ligadas entre si, fraudavam licitações e impediam que outras empresas que estavam fora deste esquema participassem das licitações públicas. Como não havia participação de outras empresas, as que faziam parte do esquema conseguiam  e recebiam ainda subfaturamento de contratos”, explicou.

Além disso, a CGU fiscalizou os transportes escolares e verificou precariedade. “Foi constatado pela CGU, por meio de fiscalizações, que o transporte escolar oferecidos eram precários, sem qualidade, é o que chamamos de pau de arara”, revelou o delegado.

Operação Topique

Seduc é alvo de investigação da PF por suposto desvio de recursos do transporte escolar

Prejuízo é superior a R$ 119 milhões

Publicada em - 11:10

Imprimir
Seduc é alvo de investigação da PF por suposto desvio de recursos do transporte escolar

Última atualização: 2 , agosto 2018 - 11:22

Policiais Federais realizam buscas na manhã desta quinta-feira (02), na Secretaria Estadual de Educação do Piauí (Seduc), localizada no Centro Administrado, em Teresina, em cumprimento a mandados de busca e apreensão. A ação faz parte da Operação Topique, que busca desarticular organização responsável por fraudar licitações e desviar recursos federais destinados ao transporte escolar no Governo do Estado do Piauí e em prefeituras municipais do Piauí e do Maranhão. O prejuízo é superior a R$ 119 milhões.

Na Seduc, as equipes estiveram no setor de transporte e, em seguida, no setor de Engenharia e Tecnologia da Informação. Ao todo, 180 policiais federais estão cumprindo 63 mandados, são eles eles, prisão preventiva, temporária e de busca e apreensão nos municípios de Teresina (PI), São João da Serra (PI), Olho D’Água do Piauí (PI) e Coelho Neto (MA).

De acordo com o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), em nota, os recursos desviados são custeados pelo Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate) e pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O esquema, segundo os investigadores, funcionava da seguinte forma: “Envolvia a prática de fraudes a licitações realizadas em conluio por empresas e agentes públicos, seguida do desvio de recursos mediante a subcontratação irregular e o posterior superfaturamento dos valores cobrados junto aos entes públicos, numa média de 40% dos valores pagos às empresas contratadas”, explica a CGU, em nota.

Ainda de acordo com a entidade, entre os anos de 2013 e 2017, as empresas investigadas receberam cerca de R$ 297 milhões, pagos por mais de 40 prefeituras e pelo Estado do Piauí, envolvendo a prestação de serviços de transporte escolar e locação de veículos.

SEDUC AFIRMA QUE ESTÁ COLABORANDO COM INVESTIGAÇÕES

A Seduc vem esclarecer, por meio de nota, sobre as investigações. O órgão afirma que está colaborando com as investigações e que, já foram efetuadas uma série de procedimentos para melhorar a fiscalização do serviço.

Após diálogo, a secretaria buscou, juntamente com órgãos de controle, aperfeiçoar o sistema para evitar possíveis fraudes. Diante disso, foram feitos procedimentos de remodelação do processo licitatório a fim de aumentar o controle e fiscalização. Também foi alterado o método de cálculo de pagamento para o transporte, que antes era feito de acordo com o tamanho da rota e foi alterado para um cálculo de pagamento por aluno transportado.

Todas estas alterações foram amplamente discutidas e aprovadas pelos órgãos de controle, atendendo inclusive recomendação do Ministério Público de Contas e orientações da Controladoria Geral do Estado. As ações foram implementadas por meio de lei aprovada na Assembleia Legislativa e a reestruturação dos convênios com os municípios foram efetuadas por decreto. As medidas executadas pelo Governo ocasionaram em uma redução de cerca de 30% das despesas.

A Secretaria Estadual de Educação se coloca à total disposição dos órgãos de controle para esclarecer quaisquer questionamentos, sempre visando à transparência e o correto funcionamento da administração pública“.

Redação Piauí Agora

Salários de até R$22mil

Polícia Federal lança edital com 500 vagas de nível superior

As inscrições serão realizadas de 19 de junho até 2 de julho.

Publicada em 15 de junho de 2018 - 15:41

Imprimir
Polícia Federal lança edital com 500 vagas de nível superior

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 15 , junho 2018 - 15:43

A Polícia Federal lançou nesta sexta-feira, (15/06), edital do concurso público para 500 vagas de nível superior com salários que chegam até R$22mil. As inscrições serão realizadas de 19 de junho até 2 de julho.

As vagas são para os cargos agente (180 vagas); delegado (150 vagas); escrivão (80 vagas); perito criminal (60 vagas) e papiloscopista (30 vagas).

Os salários são de R$ 11.983,26 para agente, escrivão e papiloscopista e de R$ 22.672,48 para perito criminal e delegado.

As inscrições devem ser feitas pelo site CESPE  e as taxas são de R$ 180 para agente, escrivão e papiloscopista e R$ 250 para perito e delegado.

Etapas

1ª FASE: A primeira etapa do concurso público destina-se à admissão à matrícula no Curso de Formação Profissional e abrangerá as seguintes fases:

-prova objetiva para todos os cargos

-prova discursiva para todos os cargos

-exame de aptidão física para todos os cargos

-prova oral, somente para o cargo de delegado

-prova prática de digitação, somente para o cargo de escrivão

-avaliação médica para todos os cargos

-avaliação psicológica para todos os cargos

-avaliação de títulos, somente para os cargos de delegado e perito criminal

2ª FASE: A segunda etapa do concurso público consistirá de Curso de Formação Profissional, de responsabilidade da Academia Nacional de Polícia, e será realizado no Distrito Federal, podendo ser desenvolvidas atividades, a critério da administração, em qualquer unidade da Federação.

Concurso

Fenapef divulga banca do concurso da Polícia Federal

A expectativa é que o edital seja lançado em julho deste ano.

Publicada em 30 de maio de 2018 - 13:39

Imprimir
Fenapef divulga banca do concurso da Polícia Federal

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 30 , maio 2018 - 20:47

A  Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) anunciou a Cebraspe, antiga Cespe/UnB como banca organizadora do concurso público para a Polícia Federal (PF). A expectativa é que o edital seja lançado em julho deste ano.

De acordo com a Fenapef, o concurso público para a Polícia Federal foi autorizado em abril deste ano e ofertará um total de 500 vagas, sendo:  150 vagas para Delegado; 60 perito criminal; 80 para escrivão; 30 para papiloscopista e 180 para agentes.

O decreto presidencial, divulgado no Diário Oficial da União (DOU), a Polícia Federal poderá iniciar novo concurso para seus quadros sempre que for constatada uma defasagem de pelo menos 5% dos servidores, sem ter necessidade de autorização prévia do MPDG para realizar a seleção.

Operação Saqueadores

Trio é acusado de planejar sequestro de funcionários de banco

A quadrilha já estaria planejando novos crimes.

Publicada em - 9:15

Imprimir
Trio é acusado de planejar sequestro de funcionários de banco

Fonte: Daniely Viana

Última atualização: 30 , maio 2018 - 10:36

A Operação Saqueadores, da Polícia Federal, cumpriu mandados de prisão nesta terça-feira (29/05), contra um grupo organizado acusado de sequestrar funcionários da Caixa Econômica Federal e seus familiares na cidade de União (PI) para cometer crimes.

Três pessoas, que não tiveram os nomes divulgados, foram presas em flagrante com apoio do Grupo de Repreensão ao Crime Organizado da Polícia Civil (Greco) e a Polícia Militar do Piauí.

De acordo com o delegado da Polícia Federal, Marcelo Alexandrino, a quadrilha praticava ameaça mediante sequestro e já estaria planejando novos crimes. “Eles estavam prontos para realizar outro sequestro em União, então nós agimos imediatamente para evitar o crime e zelar pela segurança dos funcionários”, afirma.

Além das prisões, as equipes cumpriram outros cinco mandados de busca e apreensão nas residências dos acusados. Na casa da companheira de um dos elementos, foram localizados carros e joias das vítimas, além de uma arma de fogo.

Ainda de acordo com a PF, o mesmo grupo é suspeito de ter sequestrado um funcionário da Caixa e familiares em Teresina, no 30 de abril deste ano.