Teresina tem índice grave de infestação do mosquito Aedes aegypti

Publicada em 14 de maio de 2019 - 11:45

Imprimir
Teresina tem índice grave de infestação do mosquito Aedes aegypti

Última atualização: 14 , maio 2019 - 14:31

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina divulgou o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2019, realizado entre 29 de abril e 03 de maio. O LIRAa deu 2,2 de Índice de Infestação Predial (IIP). Comparando com o primeiro LIRAa, que aconteceu entre 25 de fevereiro e 01 de março, aumentou um estrato para baixo risco e dois estratos para médio risco.

“Chama atenção que a média encontrada é de 2,2. O Ministério da Saúde determina que maior que 1 é sinal de alerta e maior que 2 é sinal de gravidade. Portanto, precisamos não criar mosquito, porque eles estão aí. O número de casos de dengue aumentou de março até agora e hoje nós temos quase 1.200 casos notificados. Chamo atenção para que as pessoas tomem cuidado para não criar mosquito em casa, trabalho, escolas e igrejas. E se a pessoa vier a ter a dengue é importante manter a hidratação, ou seja, urinar transparente 24 horas por dia. Se você sentir dor abdominal, cansaço, tontura, deve procurar imediatamente o serviço de urgência da saúde, pois são sinais de gravidade”, afirma Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS. De janeiro a 7 de maio de 2019 a FMS notificou 1.188 casos de dengue, 191 casos de chikungunya e 20 casos de zika.

O LIRAa acontece quatro vezes ao ano e abrange todas as regiões da cidade. Durante o LIRAa, os agentes de endemias da FMS percorrem uma média de 15 mil imóveis em busca de focos em ralos, piscinas, vasos de planta e outros potenciais criadouros. São enviados os índices de focos por meio da identificação tanto de larvas, como da forma adulta do inseto. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti e trabalhos educativos voltados à prevenção da dengue, zika e chikungunya.

Da Redação

Casos de dengue crescem; zika e chikungunya reduzem no Piauí

Publicada em 13 de maio de 2019 - 12:43

Imprimir
Casos de dengue crescem; zika e chikungunya reduzem no Piauí

Última atualização: 14 , maio 2019 - 14:31

Comparando com o mesmo período do ano passado, o Piauí registrou um aumento de 75,5% na incidência nos casos de dengue, os dados são do boletim da 18ª semana epidemiológica divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). Segundo as informações do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), este ano foram 1.646 notificações em 93 municípios e ano passado 938 casos em 56 municípios.

O aumento representa um crescimento de cerca de 15% das notificações em relação à 17ª semana epidemiológica. Os municípios com maior incidência por 100 mil habitantes são Pavussu, Alvorada do Gurgueia, Cristino Castro, Rio Grande do Piauí e Eliseu Martins. Não houve nenhum óbito registrado por dengue.

Já os casos de chikungunya apresentam uma redução, foram 183 casos notificados em 19 municípios, já no ano passado 285 casos em 29 municípios, representando uma redução de 35,8% do número de notificações este ano. O zika vírus também apresenta redução, 73,9% a menos no número de casos. Foram seis casos prováveis em quatro municípios, já ano passado foram 23 notificações em nove municípios. Também não foi registrado nenhum óbito por zika ou chikungunya.

A Secretaria de Estado Saúde reforça aos municípios a importância das ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, trabalhando em conjunto com a população para diminuir os índices do agravo.

Municípios em alerta

Dados da pesquisa entomológica do Aedes aegypti apontam que aumentou o número de municípios que estão com alta infestação do vetor. São 108 cidades no Piauí que estão em alerta e têm risco para ocorrência de surto das doenças relacionadas ao mosquito, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde, referente aos meses de fevereiro e março deste ano.

Os municípios devem manter a vigilância, pois dados da pesquisa apontam que 25 municípios do Piauí estão com Índice de Infestação Predial (IIP) acima de 4%, ou seja, alta infestação com risco para ocorrência de surto de arboviroses. Em estado de alerta, IIP de 1% a 3,9%, estão 83 municípios e 109 estão com o IIP satisfatório, menos de 1% de infestação. Além disso, o sistema aponta que sete municípios não realizaram ou não informaram ao sistema os dados da pesquisa entomológica.

Governo e população têm que trabalhar juntos, comenta o superintendente de Atenção à Saúde da Sesapi, Herlon Guimarães. “Além das ações de vigilância e combate, a população deve limpar seus ambientes, descartar seu lixo de forma correta, Não vamos duvidar, as formas graves dessa doença podem sim levar a óbito, o mosquito e o vírus estão circulantes. Não podemos baixar a guarda em momento algum”, completa Herlon.

Os dados da pesquisa entomológica são coletados pelos agentes de endemias nas residências, que verificam se há focos do mosquito no local. Após esse trabalho de campo, as secretarias municipais de saúde alimentam o sistema de informações LIRAa/ LIA do Ministério da Saúde.

Municípios com situação de maior risco

Alagoinha do Piauí, Alvorada do Gurguéia, Avelino Lopes, Belém do Piauí, Campo Grande do Piauí, Cocal de Telha, Demerval Lobão, Fartura do Piauí, Flores do Piauí, Francisco Santos, Guadalupe, João Costa, Júlio Borges, Landri Sales, Marcolândia, Matias Olímpio, Miguel Alves, Monsenhor Hipólito, Morro Cabeça no Tempo, Pajeú do Piauí, Pio IX, Pedro II, Regeneração, Santana do Piauí e Simões.

Da Redação

Armadilha recolhe 458.000 ovos de mosquito da dengue em Teresina

Publicada em 2 de maio de 2019 - 14:48

Imprimir
Armadilha recolhe 458.000 ovos de mosquito da dengue em Teresina

Última atualização: 14 , maio 2019 - 14:31

Em uma iniciativa para combater o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) instala armadilhas que evitam a proliferação de novos mosquitos em pontos estratégicos de Teresina. As chamadas ovitrampas utilizam água parada e palheta de eucatex (madeira), simulando o ambiente perfeito para que as fêmeas depositem seus ovos. Com a estratégia, somente entre janeiro e abril deste ano foram recolhidos 458.435 mil ovos do mosquito em Teresina.

“A ovitrampa, que evita que os ovos se transformem em mosquitos adultos, é colocada em locais de possibilidade de maior multiplicação dos mosquitos, como em pequenas borracharias, hortas, canteiro de obras e sucatas. Após a retirada, o nosso laboratório faz a análise, identificação e contagem dos ovos. Ao final, estes são destruídos”, explica Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS.

De acordo com o presidente da FMS, Charles Silveira, a FMS realiza inúmeras ações de combate ao mosquito no decorrer do ano. “Nessa luta, que é a favor da saúde e da vida, contamos com o apoio da população, que com atitudes bastante simples, como a inspeção semanal de sua própria casa para evitar o acúmulo de água parada, pode impedir a proliferação do Aedes aegypti”.

Amariles Borba alerta ainda que os meses mais críticos, considerados como período de risco na cidade, são de fevereiro a junho. “O período chuvoso, associado à falta de cuidados domésticos, contribui para o aumento de criadouros. Em Teresina, por conta das condições climáticas, o mosquito evolui de ovo para mosquito adulto em cinco dias, situação que difere de vários locais do Brasil em que o ciclo de criação do mosquito é de dez dias”.

Confira abaixo dicas para evitar a proliferação do Aedes Aegypti:

-Vire todas as garrafas com a boca para baixo e evite que acumule água dentro delas

-Não deixe água acumulada sobre a laje

-Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada

-Mantenha bem tampados tonéis e barris d’água

-Mantenha a caixa d’água bem fechada. Coloque também uma tela no ladrão da caixa d’água

-Remova folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas

-Lave por dentro, com escova e sabão, os utensílios usados para guardar água em casa

-Troque a água de vasos e de plantas aquáticas e lave-os com água e sabão uma vez por semana

-Coloque no lixo todo objeto utilizado que possa acumular água

-Encha de areia os pratos das plantas ou lave-os semanalmente

-Lave semanalmente por dentro os tanques utilizados para guardar água

-Feche bem os sacos de lixo e deixe-os fora do alcance de animais

-Lave semanalmente o recipiente de água dos climatizadores

 

Da Redação

Redução

Cai em mais de 70% os casos de dengue no Piauí

Os dados apontam que no ano passado, foram registrados 4.565 casos durante o ano todo e este ano, até o momento, foram registrados 1.295 casos suspeitos.

Publicada em 27 de julho de 2018 - 15:48

Imprimir
Cai em mais de 70% os casos de dengue no Piauí

Última atualização: 27 , julho 2018 - 15:48

A Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (Sesapi), por meio da Coordenação e Controle das Ações de Enfrentamento à Microcefalia, divulgou nesta sexta-feira, (27/07), o balanço no número de casos de dengue no estado e informou que de janeiro até julho deste ano, houve uma queda de 71,6% em relação ao ano passado.
Os dados apontam que no ano passado, foram registrados 4.565 casos durante o ano todo e este ano, até o momento, foram registrados 1.295 casos suspeitos.
Além disso, dentre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, a dengue é a que leva maior número de notificações. Chikungunya é a segunda doença com o maior número de casos no Piauí: foram 351 notificações até o momento. Teresina foi o município mais afetado, com 234 casos notificados.
Segundo Antônio Manoel, supervisor da Vigilância em Saúde, o boletim não apontou nenhuma morte por dengue ou chikungunya neste ano e destaca que mesmo o que estão em nível satisfatório devem se manter alerta.
“Esses dados servem para que tomemos medidas mais efetivas em regiões com maior risco, precisamos desses dados para nortear nosso trabalho. Se um município não notifica sua realidade, ele acaba prejudicando sua população”, ressalta.
Municípios com risco para surto da dengue, zika e chikungunya:
Alagoinha do Piauí
Alvorada do Gurguéia
Belém do Piauí
Betânia do Piauí
Bom Princípio do Piauí
Buriti dos Montes
Caldeirão Grande do Piauí
Campinas do Piauí
Caridade do Piauí
Demerval Lobão
Francisco Macedo
Francisco Santos
Gilbués
Júlio Borges
Jurema
Milton Brandão
Pio IX
Santana do Piauí
Simões