Fora da Faixa

Idosa é atropelada e morta por caminhão na Avenida Maranhão

A vítima ainda sinalizou para o motorista para que ele parasse, mas como o caminhão já vinha próximo, não conseguiu frear o suficiente e acabou atropelando a idosa.

Publicada em 5 de junho de 2018 - 13:43

Imprimir
Idosa é atropelada e morta por caminhão na Avenida Maranhão

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 6 , junho 2018 - 08:34

Uma idosa, identificada como Maria José de Araújo Sousa, 68 anos, foi atropelada e morta por um caminhão na manhã desta terça-feira, (05/06), na Avenida Maranhão, Centro de Teresina. Maria José tentava atravessar a via fora da faixa de pedestre.

A vítima ainda sinalizou para o motorista para que ele parasse, mas como o caminhão já vinha próximo, não conseguiu frear o suficiente e acabou atropelando a idosa. O caminhão ainda deixou rastro dos pneus na pista.

Segundo a Polícia Militar de Teresina, o local foi imediatamente isolado e a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito foi acionada para controlar o tráfego na região.

A perícia cadavérica verificou que a face da vítima foi a parte do corpo mais afetado por conta do impacto. Familiares da vítima chegaram ao local do acidente e ficaram totalmente desolados. Maria José era vendedora de cosméticos e moradora do Bairro Matinha, zona Norte de Teresina. 

Na via da Avenida Maranhão está registrado as marcas dos pneus na tentativa de frear.

Brutalmente assassinada

Velório de cabeleireira brutalmente assassinada é marcado por revolta

O pai de Aretha apenas revelou seu sentimento de tristeza diante da perca da filha.

Publicada em 16 de maio de 2018 - 11:17

Imprimir
Velório de cabeleireira brutalmente assassinada é marcado por revolta

Fonte: Daniely Viana

Última atualização: 16 , maio 2018 - 11:24

Emoção e revolta marcaram o velório da cabeleireira Aretha Dantas Claro, 32 anos, encontrada morta nesta terça-feira (15/05), na Avenida Maranhão, em Teresina, com várias perfurações no corpo. O momento de despedida aconteceu na manhã de hoje (16/05) casa de familiares no bairro Bela Vista II, zona Sul da cidade.

Ainda bastante abalados com o crime, alguns familiares preferiram não conceder entrevista à imprensa. O pai de Aretha apenas revelou seu sentimento de tristeza diante da perca da filha.

O sepultamento deve ocorrer ainda na manhã desta quarta-feira (16) no cemitério Santa Cruz, no bairro Promorar, na zona Sul de Teresina.

O CRIME

O crime revoltou a população teresinense pelo requinte de crueldade. A cabeleireira foi brutalmente assassinada com cerca de 20 perfurações por arma branca e ainda atropelada. Parte do couro cabeludo foi arrancado.

A Delegacia de Homicídios ainda não prendeu nenhum suspeito, mas confirma que as investigações estão avançadas. “Eu não tenho a menor dúvida que nos próximos dias esse crime esteja devidamente esclarecido”, afirma o delegado Francisco Barreta.

Já segundo a família da vítima, o ex-namorado seria o principal suspeito.

A coordenadoria do Núcleo de Feminicídio da Polícia Civil do Piauí, coordenada pela delegada Luana Alves, continua com as investigações.

Aretha Dantas Claro tinha 32 anos quando foi brutalmente assassinada

Violência Contra á Mulher

É revelada identidade de mulher morta na Avenida Maranhão

A vítima é Areta Dantas Claro, 32 anos, que era cabeleireira e residia no Bairro Saci, zona Sul de Teresina.

Publicada em 15 de maio de 2018 - 18:52

Imprimir
É revelada identidade de mulher morta na Avenida Maranhão

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 16 , maio 2018 - 16:26

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), conseguiu a identificar a mulher encontrada morta nesta terça-feira, (15/05), na Avenida Maranhão, Centro/Sul de Teresina.

A vítima é Areta Dantas Claro, 32 anos, era cabeleireira e residia no Bairro Saci, zona Sul de Teresina. Ela apresenta lesões no corpo causado por atropelamento, cerca de 20 perfurações com arma branca e está sem uma parte do couro cabeludo e rosto desfigurado.

De acordo com o delegado Francisco Barretta, coordenador da Delegacia de Homicídios, a polícia segue a investigação na tentativa de descobrir os últimos passos e o autor do crime.

A polícia trabalha com suspeita de homicídio, mas todos os crimes violentos cometidos contra a mulher têm que ser enviados ao Núcleo de Feminícidio”, pontuou.

A coordenadoria do Núcleo de Feminicídio da Polícia Civil do Piauí, coordenada pela delegada Luana Alves, ajudará nas investigações.