PROGRAMA

MEC lança plataforma digital para melhorar ensino fundamental

Programa inclui formação e apoio a professores e gestores

Publicada em 29 de novembro de 2018 - 12:55

Imprimir
MEC lança plataforma digital para melhorar ensino fundamental

Última atualização: 29 , novembro 2018 - 12:55

O Ministério da Educação (MEC) lançou na última terça-feira o Programa Escola do Adolescente, que vai oferecer, por meio de uma plataforma digital, formação e apoio técnico a professores e gestores de escolas públicas. O objetivo é melhorar o desempenho de estudantes nos anos finais do ensino fundamental, ou seja, do 6º ao 9º ano.

“O ensino fundamental 2 é uma das etapas que tem tido menos política, que tem sido menos pensada. Temos muita coisa para o ensino médio, para a alfabetização, para anos iniciais [do 1º ao 5º ano do ensino fundamental]”, diz o ministro da Educação, Rossieli Soares, durante o lançamento em Brasília. “É preciso trazer oportunidade de apoiar as escolas nessa etapa”, complementou.

Para participar, estados e municípios devem fazer a adesão ao programa. O prazo começa no dia 10 de dezembro e vai até o dia 31. Em seguida, as escolas farão a adesão, de 11 a 31 de dezembro.

Todas as escolas com anos finais do ensino fundamental poderão participar. Para as 13 mil escolas públicas com alto índice de vulnerabilidade, ou seja, com mais de 50% dos alunos com Bolsa Família, o MEC vai repassar R$ 360 milhões, no âmbito do programa Novo Mais Educação.

Os recursos deverão ser usados para ampliar o tempo dos estudantes na escola e para que as escolas implementem programas para a aprendizagem. Do total, R$ 220 milhões serão repassados ainda em 2018. Em 2019, serão repassados, os R$ 140 milhões restantes.

Desempenho e avaliação

Segundo o MEC, a plataforma vai oferecer instrumentos para tornar as aulas mais atrativas. Além de acesso a materiais específicos, que ajudarão gestores e professores tanto nas aulas quanto a entenderem melhor os estudantes, as escolas terão acesso a um diagnóstico detalhado com o desempenho dos estudantes, taxa de aprovação, entre outros dados.

A plataforma fornecerá ainda instrumentos para a realização de avaliações de matemática e português dos estudantes nos anos finais. Estarão disponíveis ferramentas de escuta da percepção que os estudantes têm sobre o ambiente escolar. Além de uma área de compartilhamento de boas práticas.

“Sabemos pouco a respeito de como o adolescente aprende, o que caracteriza esse adolescente, a plataforma servirá para a formação e fortalecimento da gestão pedagógica e apoio a gestão”, diz a secretária de Educação Básica da pasta, Kátia Smole. “Queremos trazer para o centro da conversa uma palavra às vezes esquecida: aprendizagem. Os estudantes precisam aprender na escola”.

Soares assinou hoje a portaria que institui o programa. Segundo Kátia, o governo atual deixará, para a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro, tudo organizado para que a plataforma comece a ser usada nas escolas a partir de 2019. “Estamos deixando a plataforma, ferramenta de gestão, roteiro de trabalho, constituição de rede de governança, para que as redes e as escolas possam começar 2019 com insumo bastante grande para dar continuidade a esse programa”, disse.

Indicadores

Os indicadores educacionais mostram que o desempenho dos estudantes tem queda nos anos finais do ensino fundamental, intensificando no ensino médio – etapa com os piores indicadores. Ao final do ensino fundamental, de acordo com os últimos dados disponíveis, em 2017, 45% das escolas não alcançaram a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Além disso, de cada 100 alunos, cinco concluíram a etapa com o aprendizado adequado em português e três em matemática, de acordo com parâmetros do MEC. Na rede pública, 14,5% dos estudantes reprovam ou abandonam os estudos no ensino fundamental nas escolas públicas.

FUSÃO

Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia

Publicada em 7 de novembro de 2018 - 12:27

Imprimir
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia

Última atualização: 7 , novembro 2018 - 12:38

O ministro da Educação, Rossieli Soares, disse que seria “mais simples” unir o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTIC) com o Ministério da Educação (MEC) do que o MEC com os ministérios da Cultura e do Esporte. A sugestão de Rossieli ocorre no momento em que o governo eleito Jair Bolsonaro (PSL) estuda fundir pastas e retirar do MEC o comando sobre o ensino superior.

A análise do ministro foi feita por videoconferência para jornalistas. Ele conversou com os repórteres ontem (6), após o anúncio de que será secretário de Educação de São Paulo a convite do governador eleito João Doria (PSDB).

Rossieli se disse a favor de mudanças, mas alertou que políticas públicas precisam ser avaliadas e alterados se não há o resultado esperado.

“Não dá para imaginar que a mesma política vai dar certo para sempre e não dá para imaginar que todas as políticas serão ruins. O que eu quero dizer é que a gente constantemente tem que se basear em evidências para continuar com aquilo que está dando certo.”

Ensino superior

Bolsonaro afirmou que pensa em transferir o ensino superior, hoje sob responsabilidade do Ministério da Educação, para o MCTIC, e que o ensino básico, que vai desde o infantil até o médio, continue a cargo do MEC.  Por enquanto, é uma proposta que aguarda definição.

O ministro da Educação alertou que o tema envolve detalhes que devem ser analisados. “Do ponto de vista da educação, há algumas complexidades de se jogar o ensino superior para um lado e a educação básica para outro”, disse Rossieli.

Para o ministro, existem autarquias e empresas ligadas ao MEC, como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que são atreladas ao ensino superior e teriam que ser também transferidas. Além disso, o MEC cuida atualmente da regulação do ensino superior.

“São ponderações que vou fazer. Eu me coloquei à disposição da equipe de transição. [Farei ponderações] não como impeditivo, apenas como cuidado para esse processo.”

Cultura

O ministro da Cultura,  Sérgio Sá Leitão, também reagiu à possibilidade de fundir sua pasta com o MEC. No final do mês passado, ele divulgou nota em que argumenta que os modelos institucionais “mais avançados” no mundo são aqueles que combinam a gestão da política cultural contemporânea, o desenvolvimento da economia criativa, a afirmação simbólica do país, a proteção de direitos autorais e o fomento às artes.

Em termos de estrutura, esses modelos mais desenvolvidos em geral integram a área da cultura com esporte e turismo, podendo também agregar a de mídia. “Assim, se houver de fato a redução do número de ministérios, minha sugestão é a criação do Ministério de Cultura, Esporte e Turismo”, defendeu o ministro, que mencionou como exemplo dessa combinação o caso da Coreia do Sul.

ENEM 2018

Governo decide manter horário de Verão com início no 1º dia de provas do Enem

Governo federal cancela novo adiamento do horário de verão

Publicada em 16 de outubro de 2018 - 16:51

Imprimir
Governo decide manter horário de Verão com início no 1º dia de provas do Enem

Última atualização: 17 , outubro 2018 - 13:53

Governo Federal não abre mão e decidiu nessa segunda-feira, (15/10), que o horário de verão terá início no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), edição 2018, que acontecerá no domingo, 4 de novembro. No começo do mês, o governo federal chegou a anunciar que iria adiar o início do horário de verão para o dia 18 de novembro por causa de um pedido feito pelo Ministério da Educação para não prejudicar os candidatos do Enem, porém, cancelou o novo adiamento.

Segundo o presidente Michel Temer, o governo avaliou o pedido do MEC, no entanto, não foi possível atender à demanda e que decidiu manter o início do horário de verão em nome da “Segurança Jurídica”.

Com o horário de verão, moradores de 10 estados e do Distrito Federal deverão, a partir da meia-noite de domingo, (04/11), adiantar o relógio em 1H e os demais terão uma hora a menos em relação ao fuso horário anterior.

Apesar do país ficar com quatro fusos horários diferentes com o horário de verão, o fechamento dos portões acontecerá na mesma hora, seguindo o horário de Brasília: 13hs, de acordo com o horário em cada região.

SAIBA QUAIS ESTADOS DEVEM ADIANTAR 1H O RELÓGIO

  • Região Sul: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná
  • Região Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais
  • Região Centro-Oeste: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal

HORÁRIO DAS PROVAS (HORÁRIO DE BRASÍLIA)

  • Abertura dos portões: 12h (horário de Brasília)
  • Fechamento dos portões: 13h (horário de Brasília)
  • Início das provas: 13h30 (horário de Brasília)
  • Saída permitida a partir das 15h30 sem o caderno de provas.
  • Saída liberada com o cartão de provas: 18h30 (horário de Brasília)
  • Fim da prova: 19h (horário de Brasília)

18 de novembro

Horário de verão tem início adiado por conta do Enem

A confirmação é do Governo Federal, que atendeu o pedido do Ministério da Educação (MEC).

Publicada em 4 de outubro de 2018 - 11:59

Imprimir
Horário de verão tem início adiado por conta do Enem

Última atualização: 4 , outubro 2018 - 12:05

O início do horário de verão é novamente adiado, dessa vez, por conta da realização do Enem. Neste ano, os relógios serão adiantados em uma hora a partir do dia 18 de novembro. A confirmação é do Governo Federal, que atendeu o pedido do Ministério da Educação (MEC).

A solicitação do órgão levou em conta a data das provas do exame, marcadas para os dias 04 e 11 de novembro (dois domingos), o que poderia gerar confusão para quem fosse fazer a prova, ou seja, mais de 5 milhões de estudantes.

A data final para o horário de verão foi mantida para o terceiro domingo de fevereiro de 2019.

SEGUNDA MUDANÇA DE DATA

Está é a segunda mudança de data em menos de uma semana. A primeira aconteceu devido ao segundo turno das eleições, quando o horário de verão iria começar no dia 4 de novembro.

mudanças

Devido as eleições, horário de verão é adiado

o novo horário terá 15 dias a menos (cerca de três meses, até o dia 6 de fevereiro de 2019).

Publicada em 30 de setembro de 2018 - 13:26

Imprimir
Devido as eleições, horário de verão é adiado

Última atualização: 30 , setembro 2018 - 13:26

As eleições vão causar mudanças até no cronograma do horário de verão. Tradicionalmente, o início é a partir da meia-noite do terceiro domingo de outubro, mas neste ano foi adiado para dia 4 de novembro, ou seja, primeiro domingo após o segundo turno.

No entanto, é possível que essa data ainda sofra novas modificações. O Ministério da Educação (MEC) solicitou ao presidente Michel Temer o adiamento do início do horário de verão em razão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), pois segundo o órgão, a alteração poderá gerar confusão para quem for fazer a prova.

Caso o primeiro adiamento aconteça, o novo horário terá 15 dias a menos (cerca de três meses, até o dia 6 de fevereiro de 2019).

Agência Brasil

Capacitação

Pronatec Voluntário está com inscrições abertas

Pode participar os cidadãos brasileiros maiores de 15 anos.

Publicada em 14 de agosto de 2018 - 16:54

Imprimir
Pronatec Voluntário está com inscrições abertas

Última atualização: 14 , agosto 2018 - 16:54

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) – Oferta Voluntária, por meio do Ministério da Educação (MEC) está com inscrições abertas para capacitação profissional gratuita. Pode participar os cidadãos brasileiros maiores de 15 anos.

Ao total, mais de 3 milhões de vagas foram disponibilizadas só neste ano. Dentre as possibilidades, estão a formação para agente comunitário de saúde, promotor de vendas, desenhista de construção civil, representante comercial, assistente administrativo, recepcionista, vendedor e balconista de farmácia.

Além disso, há cursos de espanhol básico, inglês básico e Língua Brasileira de Sinais (Libras) básico, entre outros. Acesse a lista completa de cursos ofertados em 2018.

Essas vagas são distribuídas por meio de lotes — sendo o mais recente em março deste ano, com cerca de 550 mil disponíveis.

Os cursos de formação inicial e continuada (FIC) são oferecidos às pessoas que têm o ensino fundamental incompleto. Com o foco em áreas específicas, eles duram de três a cinco meses. Podem ser feitos nas modalidades presencial ou Ensino a Distância (EaD), com certificado ao final.

Já os técnicos são para quem concluiu o ensino médio. As aulas podem ter duração de um a dois anos e o aluno obtém habilitação técnica de nível médio, com certificado reconhecido em todo o território nacional.

Inscrições

As pré-matrículas podem ser feitas nas secretarias estaduais/distritais de Educação; no Ministério da Saúde; Ministério do Turismo; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; Ministério da Cultura; Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; todos em articulação com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. As inscrições também podem ser realizadas por meio do portal.mec.gov.br/pronatec e do pronatec.mec.gov.br/inscricao.

Carta de Encaminhamento

Os alunos inscritos receberão uma Carta de Encaminhamento com os prazos e dados necessários para a realização da matrícula, que pode ser feita diretamente na instituição de ensino onde o curso será realizado. Nos cursos FIC a distância, os interessados devem acessar a plataforma de EaD da instituição.

Fonte: Redação Piauí Agora 

Corte do MEC

Quase 200 mil bolsas de pós-graduação podem ser suspensas em 2019

A CAPES afirma que será um corte significativo em relação ao próprio orçamento de 2018,

Publicada em 3 de agosto de 2018 - 10:39

Imprimir
Quase 200 mil bolsas de pós-graduação podem ser suspensas em 2019

Última atualização: 3 , agosto 2018 - 10:45

Uma notícia está deixando professores e alunos de cursos de pós-graduação em todo o país bastante preocupados. Nesta quinta-feira (02), a CAPES anunciou que, por conta do corte orçamentário do Ministério da Educação (MEC), os programas de mestrado, doutorado, pós-doutorado, além de iniciação à docência e cooperação internacional ficam comprometidos em 2019. O corte atinge quase 200 mil bolsas.

Em um Ofício enviado na última quarta-feira (01), ao ministro da educação Rossieli Soares da Silva, em resposta ao teto limitado de seu orçamento para 2019, a CAPES afirma que o valor é muito inferior ao estabelecido pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada em julho pelo Congresso Nacional.

Caso seja mantido esse teto, a partir de agosto de 2019, serão suspensos o pagamento de todos os bolsistas de mestrado, doutorado e pós-doutorado. “Atingindo mais de 93 mil discentes e pesquisadores, interrompendo os programas de fomento à pós-graduação no país, tanto os institucionais (de ação continuada), quanto os estratégicos (editais de indução e acordos de parceria com os estados e outros órgãos governamentais)”, diz a CAPES, em nota.

Além deles, deverá ocorrer a suspensão dos pagamentos de 105 mil bolsistas e interrupção do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), como também do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). O último afetando mais de 245 mil beneficiados.

Após a repercussão negativa em relação aos cortes, os ministérios do Planejamento e da Educação anunciaram que vão se reunir nesta sexta-feira (03) para discutir o então orçamento da pasta 2019. No entanto, o MP já revelou que pretende reduzir em pelo menos 11% o orçamento para despesas não obrigatórias do MEC.

lista

Primeira chamada do Prouni é divulgada nesta segunda (02)

A lista possui os nomes dos pré-selecionados.

Publicada em 2 de julho de 2018 - 11:06

Imprimir
Primeira chamada do Prouni é divulgada nesta segunda (02)

Última atualização: 2 , julho 2018 - 11:06

Os candidatos inscritos no Programa Universidade Para Todos (Prouni) podem conferir o resultado da primeira chamada no site oficial. A lista possui os nomes dos pré-selecionados.

Segundo o Ministério da Educação (MEC), a pré-seleção assegura apenas a expectativa de direito à bolsa. Dessa forma, é necessário comparecer à instituição para apresentar os documentos que comprovem as informações, até dia 10 de julho.

O resultado da segunda chamada será divulgado no dia 16 de julho.

Com informações Agência Brasil