Transferências

Depois de Marsha, dois ursos no Ceará podem ser transferidos para São Paulo

Um deles, chama-se Kátia e o outro, Dimas, irmão da ursa Marsha (Rovena), que estava em Teresina, também resgatado de um circo após maus-tratos. 

Publicada em 26 de setembro de 2018 - 14:26

Imprimir
Depois de Marsha, dois ursos no Ceará podem ser transferidos para São Paulo

Última atualização: 27 , setembro 2018 - 11:42

A ativista Luisa Mell, responsável pelo Instituto Luisa Mell, está pedindo doação em dinheiro para realizar a transferência de mais dois ursos, que estão no Ceará para São Paulo. Um deles chama-se Kátia e o outro, Dimas, irmão da ursa Marsha (Rovena), que estava em Teresina, também resgatado de um circo após maus-tratos.

Luisa Mell pretende arrecadar R$300 mil para a construção do recinto do urso Dimas no Rancho dos Gnomos, que já começou a ser planejado para iniciar a construção do espaço.

“Amigos, chegou a hora de trabalharmos para trazer o irmão da Ursa Marcha, o Dimas, que vive no calor do Ceará em um zoológico. Como ela, sua vida sempre foi de exploração e abusos e a ideia é colocar os dois em recintos colados e com o tempo, tentar fazer eles viverem juntos”, pontuou.

Segundo Luisa Mell, além dos custos com a construção do recinto, a transferência dos animais contam com entraves políticos e judiciais. “Teremos um novo caminho repleto de batalhas, mas não vamos desistir. Eles merecem viver bem e juntos! Aguardem novidades!”, destacou.

View this post on Instagram

Amigos, estamos trabalhando para retirar os Ursos Katia e Dimas do zoológico do Ceará, que vivem no calor e em situação semelhante a que vivia nossa irmã ursa Marsha (agora Rowena), mas eu preciso de vocês como poucas vezes precisei! O primeiro passo é construir os recintos e toda a estrutura fria, cujos custos estimados giram em torno de R$ 300 mil. Paralelo a isso, iremos tentar, por caminhos políticos e judiciais a liberação deles do Ceará. O @institutoluisamell está assumindo toda a logística financeira da operação e o @ranchodosgnomos , todo o suporte logístico, além é claro, do espaço. Preciso que vocês ajudem, doando qualquer valor para podermos salvá-los. Por menor que pareça, fará toda a diferença na vida deles! Faça parte dessa história conosco. #SalveDimasKatia #EuAjudei @gabrielahmoreira @luciolacabral @williantwito @caroldosanimais @josemoura.adv @adrianawpp Bradesco AG 1974-7 CC 288-7 Itau AG 0772 CC 09021-3 Banco do Brasil AG 1817-1 CC 120.000-3 Instituto Luisa Mell de Assistencia aos Animais CNPJ: 21.877.796/0001-35

A post shared by Luisa mell (@luisamell) on

para santuário

Luisa Mell vem a Teresina para acompanhar transferência de ursa Marsha

A ursa Marcha será transferida do Parque Zoobotânico em Teresina para um santuário no Rancho dos Gnomos nesta sexta-feira (21)

Publicada em 20 de setembro de 2018 - 15:24

Imprimir
Luisa Mell vem a Teresina para acompanhar transferência de ursa Marsha

Última atualização: 21 , setembro 2018 - 21:18

Faltam poucos dias para que a batalha da transferência da ursa Marcha, conhecida como a “usar mais triste do mundo”, finalmente se concretize. Deverá chegar ainda no final da tarde desta quinta-feira (20), na capital, em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), a apresentadora e ativista Luísa Mell, além de veterinários.

A ursa Marcha será transferida do Parque Zoobotânico em Teresina para um santuário no Rancho dos Gnomos nesta sexta-feira (21). O local foi construído especialmente para ela e fica entre São Paulo e Migas Gerais.

Luísa Mell  chegou a compartilhar momentos antes da viagem em seu Instagram e mostrou a alegria em fazer parte dessa vitória. “Esta é uma conquista histórica! Só foi possível graças a união de muitas pessoas, Ongs, poder público. Graças a vocês conseguimos construir o recinto provisório e tenho certeza que vamos conseguir melhorá-lo”, conta.

View this post on Instagram

Ela ficou conhecida como a Ursa mais triste do mundo! Está literalmente morrendo de calor no Piauí( ontem lá fez 45 graus celsius) Depois se 20 anos explorada em circo, onde vivia em uma jaula minúscula, sob constantes maus tratos, ela foi transferida para um zoológico no Piauí! Imaginem uma ursa parda siberiana, com pelagem própria para aguentar o frio do Canadá, sob o sol escaldante doPiauí! Ela entrou em depressão profunda e as imagens de sua tristeza comoveram o país! Depois de mais um ano e meio de luta judicial, abaixo assinados, acordos políticos… finalmente conseguimos a libertação daMarsha e sua transferência para um Santuário! O @institutoluisamell construiu o Recinto no Rancho dos gnomos para recebe-la🙏🙏 Estamos embarcando agora para o Piauí nesta linda missão! Esta é uma conquista histórica! Só foi possível graças a união de muitas pessoas, ongs, poder público… meu agradecimentos para @caroldosanimais @ranchodosgnomos @alexiadechamps @portalvistase meu amigo @frankalarcon_phd As força aérea brasileira e claro cada um de vcs que divulgou, assinou, compartilhou e que ajuda o @institutoluisamell ( graças a vcs conseguimos construir o recinto provisório e tenho certeza que vms conseguir melhorá-lo!) 🙏🙏🙏 @ursamarsha ❤️❤️❤️🙏🙏🙏

A post shared by Luisa mell (@luisamell) on

A transferência acontece após mais de um ano de lutas judiciais, abaixo-assinados e acordos entre Governo do Piauí e a Confederação Brasileira de Proteção Animal. Na capital também estarão equipes do Rancho, que vão garantir a segurança do animal durante sua retirada.

URSA VIVEU MAUS TRATOS EM CIRCO

Piauienses e pessoas de todo o país se comoveram com a história da ursa Marcha. Ela ficou 20 anos sendo explorada por um circo em Manaus, até ser resgatada e transferida para Parque Zoobotânico em Teresina (PI). Na capital, a ursa sofreu com as altas temperaturas, pois sua espécie vive naturalmente em países mais frios e sua pelagem é acostumada a aguentar a neve do Canadá, por exemplo.

“Ela entrou em depressão profunda e as imagens de sua tristeza comoveram o país!”, escreveu Luísa em seu Instagram.

Até que no início de 2017, uma campanha surgiu nas redes sociais pedindo a retirada do animal do Zoobotânico. A atriz global Bianca Bin foi uma das artistas que reivindicou a transferência da ursa.