investigação

Operação Itaorna: Secretarias do Estado são suspeitas de fraude em licitações

A operação é coordenada pelo Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI), que cumpriu oito mandados de busca e apreensão

Publicada em 12 de setembro de 2018 - 10:16

Imprimir
Operação Itaorna: Secretarias do Estado são suspeitas de fraude em licitações

Última atualização: 13 , setembro 2018 - 10:28

Computadores, pen drives, celulares e documentos foram apreendidos na manhã desta quarta-feira (12/09) durante a Operação Itaorna, que investiga a prática de fraudes em licitações. Os alvos são as secretarias de Turismo e Desenvolvimento Rural, além do Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI), Coordenadorias de Desenvolvimento Social e Lazer e Coordenadoria de Combate à Pobreza Rural.

A operação é coordenada pelo Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI), que cumpriu oito mandados de busca e apreensão expedidos pelo Juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Teresina.

Os trabalhos tiveram apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado no Piauí (GAECO) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

GOVERNO DO ESTADO SE DEFENDE

O Governo do Estado do Piaui se manifestou, por meio de nota, sobre a operação Itaorna e se defende. O texto informa que o órgão sempre cumpriu todas as diligências, como entrega de documentos e colabora com as investigações.

A nota ainda diz que nenhum servidor público foi investigado nesta operação.

Confira nota completa:

O Governo do Estado do Piauí informa que a operação Itaorna, deflagrada nesta quarta-feira (12), tem por objeto constatar se a empresa investigada teria capacidade operacional ou não de realizar as obras e de se habilitar nos processos licitatórios, o que levaria à conclusão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Ministério Público Estadual (MPE) que poderia haver indícios de fraude nos processos licitatórios.

O Governo do Piauí sempre cumpriu com todas as diligências requisitadas, sempre entregou os documentos requeridos pelos órgãos de controle e colaborou com todas as investigações. 

Nenhum agente público é investigado neste caso. É importante frisar, também, que o governo sempre prezou pela transparência de todos os seus atos e assegura que todos os processos licitatórios obedecem aos trâmites legais e obrigações jurídicas, tendo tramitado pela Controladoria e Procuradoria Geral do Estado.

Por fim, asseguramos que documentos e contratos são públicos e disponibilizados de forma permanente e rotineira para o TCE, não necessitando de ações judiciais para se ter acesso a eles. 

zona leste de Teresina

Dono de restaurante é preso duas vezes em 24 horas

Empresário foi detido e solto por duas vezes suspeito de furto de energia e fraude.

Publicada em 28 de junho de 2018 - 11:48

Imprimir
Dono de restaurante é preso duas vezes em 24 horas

Última atualização: 28 , junho 2018 - 11:50

Prende, é liberado, prende novamente e é liberado, assim foi a rotina de um empresário, dono de um restaurante localizado  na Avenida Arêa Leão, zona Leste de Teresina, nos últimos dias. Em cerca de 24 horas ele foi detido e solto por duas vezes suspeito de furto de energia e fraude.

A primeira prisão aconteceu na última terça-feira (26/06), por meio do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO). O homem é suspeito de furto de energia. “Segundo o delegado Laércio Evangelista, que acompanhou o caso, o medidor não estava fazendo o registro corretamente há mais de dois anos”, diz a SSP, em nota.

Ainda de acordo com o delegado, uma atitude estranha chamou atenção dos investigadores: há mais de 1 ano, o empresário não permita que funcionários da Eletrobras entrassem no restaurante para fazer a medição da energia.

Ele pagou a fiança de dez salários mínimos e foi liberado.

SEGUNDA PRISÃO

Novamente, no dia seguinte (27), ele foi preso pela segunda vez. Uma equipe da Eletrobrás constatou outra fraude no medidor de energia de sua residência. O empresário pagou, de novo, outra fiança no mesmo valor da primeira e foi solto.

Ainda segundo a SSP, ele responderá ao processo em liberdade.

Prova acontece neste domingo

Concurso PC: Delegada garante que não houve vazamento de gabarito

A prova possuía anotações relacionadas ao conteúdo cobrado pela organizadora do concurso

Publicada em 10 de junho de 2018 - 10:29

Imprimir
Concurso PC: Delegada garante que não houve vazamento de gabarito

Fonte: Com informações SSP

Última atualização: 11 , junho 2018 - 17:20

Atualização às 22h:03

Dois candidatos foram eliminados e encaminhados à Central de Flagrantes neste domingo (10/06). Um deles, identificado pelas iniciais O. S. F, 41 anos, estava com uma prova de um outro concurso, e o segundo foi flagrado com um pequeno texto com anotações, que seriam usadas na redação. Ambos ficaram poucas horas presos, pois foram liberados após pagamento de fiança.

Apesar das autuações, a delegada Alexandra Santos, que coordena a operação, garante que não houve vazamento de gabarito das provas.

______________________________________________________________

Matéria Original

Um fiscal evitou uma possível fraude no concurso da Polícia Civil do Piauí, que teve início na manhã deste domingo (10). Um candidato do Estado de Pernambuco foi flagrado no local de aplicação com uma prova simulado. Ele foi conduzido pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO).

A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do Piauí. Em nota, a SSP ainda informa que de acordo com o responsável pela condução, delegado Luciano Alcântara, a prova não continha as mesmas questões do exame oficial, mas possuía anotações relacionadas ao conteúdo cobrado pela organizadora do concurso.

“A Polícia Civil foi acionada e foi constatado que ele estava tanto com a prova da Nucepe que foi entregue, quanto outro caderno de prova. No mesmo momento, a prova foi encaminhada para a coordenação e ele foi conduzido para o Greco sob suspeita de tentar fraudar o concurso”, disse o delegado.

A condução faz parte da Operação Contenção, deflagrada na manhã do último sábado (09).

CONCURSO

O suspeito era um dos 21.356 candidatos inscritos na primeira fase do concurso da PC. Eles passam por uma prova teórica para os cargos de delegado e agente.