VERBA

Secretário terá que explicar sobre destinação de 86 milhões da educação

Secretário terá que explicar sobre destinação de 86 milhões da educação

Publicada em 12 de fevereiro de 2019 - 16:25

Imprimir
Secretário terá que explicar sobre destinação de 86 milhões da educação

Última atualização: 12 , fevereiro 2019 - 16:25

A convocação do secretário de Educação, Helder Jacobina, requerida pelo deputado Gustavo Neiva (PSB), líder da Oposição, para dar explicações sobre a destinação de R$ 86,9 milhões do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop) para apoio ao transporte escolar no Piauí provocou um debate entre parlamentares na sessão plenária de hoje(12).

Gustavo Neiva disse que o secretário Helder Jacobina precisa esclarecer porque o Governo utilizará recursos do Fecop no transporte escolar já que existe verba federal destinada para este objetivo. O líder do Governo, deputado Francisco Limma (PT), pediu que a bancada da situação votasse contra a matéria porque o requerimento deveria ser endereçado à Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc) que administra o Fecop e não ao secretário de Educação.

Os deputados Evaldo Gomes (PTC) e Teresa Britto (PV) ocuparam a tribuna para defender a proposição apresentada por Gustavo Neiva, enquanto os deputados Franzé Silva (PT) e Fábio Novo (PT) apoiaram a decisão do líder do Governo de votar contra a matéria.

O deputado Coronel Carlos Augusto (PR) disse que o Fecop não dispõe de muitos recursos, enquanto Fábio Novo esclareceu que os recursos solicitados pelo secretário de Educação não totalizam R$ 86 milhões, mas R$ 4 milhões. O requerimento não foi votado na sessão de hoje por falta de quorum.

PRIORIDADE DO GOVERNO

MEC tem agora secretarias para alfabetização e escolas militares

Educação básica é a prioridade da pasta

Publicada em 10 de janeiro de 2019 - 20:51

Imprimir
MEC tem agora secretarias para alfabetização e escolas militares

Última atualização: 10 , janeiro 2019 - 20:52

Com a posse do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Ricardo Vélez Rodríguez foram feitas, esta semana, mudanças na estrutura do Ministério da Educação (MEC). A pasta passa a contar agora com a Secretaria de Alfabetização, a Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação, além de uma Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico-Militares.

As novas secretarias e subsecretaria são voltadas principalmente para a educação básica, etapa que compreende desde as creches ao ensino médio e que, segundo Vélez Rodríguez, será prioridade do governo. Para implementar as mudanças nas escolas, o MEC precisará do apoio de estados e municípios, que detêm a maior parte das matrículas.

Escolas cívico-militares

Baseado no alto desempenho de colégios militares em avaliações nacionais, o governo quer expandir o modelo. Segundo o decreto que detalha as atribuições do MEC, haverá uma subsecretaria para desenhar uma modelagem de gestão escolar que envolve militares e civis e garantir a aplicação desse modelo nos estados e municípios.

É a chamada Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico-Militares. Pelo decreto, a adesão de estados e municípios ao modelo será voluntária. Em nota, o MEC explica que a presença de militares na gestão administrativa “terá como meta a resolução de pequenos conflitos que serão prontamente gerenciados, a utilização destes como tutores educacionais, para a garantia da proteção individual e coletiva, dentre outras visando a disciplina geral da escola. Os militares contribuirão com sua visão organizacional e sua intrínseca disciplina; os civis com seus conhecimentos pedagógicos, todos juntos farão parte desta proposta de estrutura educacional”.

Ainda segundo o MEC, o Brasil apresenta altos índices de criminalidade.“Neste contexto o Ministério da Educação buscará uma alternativa para formação cultural das futuras gerações, pautando a formação no civismo, na hierarquia, no respeito mútuo sem qualquer tipo de ideologia tornando-os desta forma cidadãos conhecedores da realidade e críticos de fatos reais”. Esse modelo será implementado preferencialmente em escolas em situação de vulnerabilidade social e para as famílias que concordam com essa proposta educacional.

Novas secretarias

As duas novas secretarias do MEC foram criadas a partir da extinção da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi): a Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação e Secretaria de Alfabetização. Dentro da primeira, haverá, entre outras, uma diretoria voltada apenas para pessoas surdas, a Diretoria de Políticas de Educação Bilíngue de Surdos, além de uma estrutura voltada para apoio a pessoas com deficiência.

A pauta ganhou destaque no governo com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que é intérprete de Língua de Sinais Brasileira (Libras). Na posse presidencial, ela quebrou o protocolo e discursou em Libras. A secretaria de Alfabetização, segundo o MEC, cuidará da alfabetização não apenas em português e matemática, mas também em novas tecnologias. Segundo o decreto, a secretaria se ocupará ainda da formação dos professores por meio da Diretoria de Desenvolvimento Curricular e Formação de Professores Alfabetizadores.

Estados e municípios

Para que essas medidas cheguem às salas de aula, será necessária a participação de estados e municípios. As entidades que representam os secretários municipais e estaduais de Educação ainda não se reuniram com a atual gestão do MEC. O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que representa os estados, tem reunião agendada para o final deste mês.

A presidente do Consed, Maria Cecília da Motta, secretária de Educação do Mato Grosso do Sul, disse que a entidade ainda não tem um posicionamento sobre as mudanças, uma vez que muitos secretários assumiram nesta semana. Segundo ela, independentemente do modelo escolar, cívico, militar ou cívico-militar, a prioridade dos estados, que são responsáveis pela maior parte das matrículas do ensino médio, é a implementação do novo currículo.

No ano passado, o MEC aprovou a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para essa etapa de ensino, que define o mínimo que deve ser ensinado em todas as escolas em todo o país. O prazo para a implementação é o ano letivo de 2021, quando começa a valer o novo ensino médio. “O nosso trabalho este ano todo é escrever o novo currículo, com a flexibilização. Ainda não sabemos o que vem de orientação, mas estamos organizando nosso movimento de formação em cima da BNCC”, disse Cecília.

Metodologia

O presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima, disse esperar o detalhamento das escolas cívico-militares. Em relação à alfabetização, Lima destaca que os métodos aplicados no país são variados e devem ser considerados nas ações.

“A diversidade que existe no nosso país, metodológica, de práticas pedagógicas, de cultura, precisa ser respeitada. Nesse sentido, a nova secretaria tem que ter a sensibilidade para compreender todas essas nuances, para compreender os métodos aplicados”, afirmou, acrescentando que a melhor prática “é aquela que o aluno aprende”.

EDUCAÇÃO INFANTIL

Teresina ganhará quatro creches no mês de fevereiro

As creches devem atender crianças a partir do berçário até os 5 anos de idade

Publicada em 9 de janeiro de 2019 - 18:04

Imprimir
Teresina ganhará quatro creches no mês de fevereiro

Última atualização: 9 , janeiro 2019 - 18:04

Mais vagas e novas oportunidades para as crianças de Teresina com a conclusão das obras de quatro Centros Municipais de Educação Infantil. Dois deles estão prontos para inauguração no mês de fevereiro.

As creches devem atender crianças a partir do berçário até os 5 anos de idade. São prédios modernos e coloridos, com salas de aulas climatizadas, brinquedoteca, pátio coberto, banheiros com acessibilidade, refeitório, solário e sala de leitura. As novas escolas estão situadas no Parque Eliane, Portal da Alegria, Residencial Deus Quer e Sigefredo Pacheco I.

“Mais salas de aulas, mais crianças na escola”, afirma o secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma. Ele explica que o investimento na Educação Infantil abre portas para um futuro melhor. “Sabemos que quanto mais cedo esses alunos estão na escola, maiores são as oportunidades de aprendizado. Estamos crescendo em número de escolas, mas também prezando pela qualidade do ensino ofertado nelas”, diz.

As obras dos quatro CMEIs somam quase R$ 10 milhões,  recursos disponibilizados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e Prefeitura. As novas unidades de ensino fazem parte do conjunto de 21 creches anunciadas para 2019, expandindo consideravelmente o número de matrículas na Rede.

No Portal da Alegria, Residencial Torquato Neto, o CMEI vai ganhar o nome de Engenheiro Matias Augusto de Oliveira Matos. Já no Deus Quer, outro bairro com a obra concluída, a escola será batizada de CMEI Ramsés Bahury de Sousa Ramos. As inaugurações das duas unidades de ensino estão previstas para o início de fevereiro, com imediato início das aulas.

PLANEJAMENTO

Gestores elaboram planejamento pedagógico para o ano letivo de 2019

O objetivo é alinhar estratégias de trabalho da educação piauiense.

Publicada em 7 de dezembro de 2018 - 10:40

Imprimir
Gestores elaboram planejamento pedagógico para o ano letivo de 2019

Última atualização: 7 , dezembro 2018 - 10:40

Gerentes e coordenadores de ensino das Gerências Regionais de Educação (GREs), tutores do Pacto pela Aprendizagem e representantes das escolas das GREs de Teresina participam, nesta quinta-feira (06), da reunião de planejamento pedagógico para o ano letivo de 2019. O evento, realizado no Diferencial Buffet, é promovido pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e tem como objetivo alinhar estratégias de trabalho da educação piauiense.
De acordo com a coordenadora do acompanhamento pedagógico do Pacto pela Aprendizagem, Viviane Carvalhedo, a ideia é dar continuidade às ações que tiveram bom resultado em 2018. “Vamos verificar o que faz sentido continuar em 2019, com relação às ações, focando no desempenho, plano de ações e metas que precisam ser atingidas e, além disso, corrigir possíveis rotas nessas ações e implementar novas ações, se necessário”, explica a gestora.
Consultores da Fundação Lemann também participam do evento para auxiliar a definir as principais ações referentes aos pilares do Pacto pela Aprendizagem 2019, que consiste em um conjunto de ações de curto, médio e longo prazo que trabalham com a perspectiva de mudar o cenário da educação.
“A Fundação Lemann tem uma tratativa direta com a Seduc, olhando para as ações e os pilares do Pacto pela Aprendizagem. Eles dão um apoio muito grande tanto com relação às ações do Pacto pela Aprendizagem quanto às ações de acompanhamento pedagógico e de formação de gestores e tutores nas escolas de ensino fundamental”, garante Viviane.
Segundo o diretor da Unidade de Ensino e Aprendizagem (Unea) da Seduc, Ellen Gera, o trabalho será voltado para detectar problemas e começar a pensar nas ações para solucioná-los. “Tudo isso focando nos sete pilares do Pacto pela Aprendizagem que são o currículo, avaliação, formação, clima escolar, infraestrutura, tecnologia e gestão democrática. Precisamos fortalecer a colaboração e a corresponsabilização entre Escolas, Gerências Regionais e Seduc”, esclarece o gestor.
Autoria: Joely Rocha

DESISTÊNCIA

Milhões de brasileiros estacionam no Ensino Médio

Para democratizar e ampliar o acesso ao Ensino Superior, Unicesumar lança programa de bolsa de estudo social, oferecendo alguns cursos com mensalidades a R$156.

Publicada em 16 de novembro de 2018 - 17:57

Imprimir
Milhões de brasileiros estacionam no Ensino Médio

Última atualização: 16 , novembro 2018 - 17:57

Construir uma carreira de sucesso e planejar um futuro feliz são desejos comuns a pessoas de todas as idades. Ainda que existam diferentes maneiras de alcançar estes desejos, o caminho é sempre o mesmo: a educação. Contudo, o percurso nem sempre é igual para todos. Um exemplo são os 38,7 milhões de brasileiros inseridos na classe D, com remuneração mensal entre R$ 1.100 e R$ 1819, segundo dados do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do banco Bradesco. Desse total, mais de quatro milhões concluíram o Ensino Médio, mas não ingressaram no Ensino Superior.

Algumas mudanças na vida são inevitáveis e acabam alterando também alguns planos, exigindo novos roteiros. Pensando nisso e buscando democratizar o acesso à educação superior, que pode transformar não só uma vida, mas a realidade de diversas regiões, a Unicesumar lança a bolsa de estudo social “Agora eu Posso”. O programa, disponível para novos ingressantes a partir de 2019, oferece cursos superiores de Empreendedorismo, Gestão do Terceiro Setor, Gestão de Loja e Ponto de Venda, com mensalidades de R$ 156,00 Dentre as mais de 50 opções de cursos superiores oferecidos pela instituição, Empreendedorismo já é o quarto mais procurado pelos candidatos.

E esta também foi a escolha da estudante de Juiz de Fora (MG), Simone Carvalho Marinho. Há dois anos, ela e o marido herdaram uma fábrica de temperos do sogro. Comercializando os produtos pelo método porta a porta e em feiras e eventos, percebeu que os conhecimentos do dia a dia já não eram mais suficientes.  “O convite de uma amiga para participar de uma palestra sobre o tema acabou se tornando uma inspiração e um divisor de águas para nós”, lembra. Entendendo que é preciso qualificar o negócio, ela decidiu retomar os estudos, interrompidos pela limitação financeira e dedicação à maternidade. .”Eu tinha vontade de fazer um curso superior, porém, não conseguia dinheiro para investimento. Quando soube do projeto da Unicesumar, vi uma possibilidade de mudança de vida. Agora eu posso e, para começar, vou cursar Empreendedorismo e o meu marido, Processos Gerenciais”.

Mais do que aplicar os conteúdos aprendidos no próprio empreendimento, Simone planeja compartilhar a experiência com colaboradores, amigos e familiares. “Quero espalhar a semente do conhecimento, pois só ele nos permite crescer, quero ter capacidade para ajudar mais pessoas”, diz, acrescentando que a bolsa é um estímulo para deixar a zona de conforto e pensam além das paredes do atual negócio.

“Embora não consigamos controlar tudo o que acontece, temos a certeza de que a educação é sempre um caminho para transformar realidades. Foi pensando nisso que criamos essa bolsa social para qualificar pessoas e, assim, garantir conhecimento e desenvolvimento pessoal e profissional para elas”, destaca José Henrique Saviani, diretor comercial da Educação a Distância da Unicesumar.

Educação

Aluno de escola municipal é 1º lugar do Brasil em olimpíada de química

Publicada em 5 de novembro de 2018 - 19:06

Imprimir
Aluno de escola municipal é 1º lugar do Brasil em olimpíada de química

Última atualização: 5 , novembro 2018 - 19:06

Um feito histórico encheu de orgulho professores e familiares do Samuel William Silva Almeida, aluno da Escola Municipal Antilhon Ribeiro Soares, no bairro Lourival Parente, zona Sul de Teresina. Ele foi o 1º colocado na Olimpíada Brasileira de Química Júnior 2018, competição de alto nível que reúne estudantes de escolas públicas e particulares de todo o país.

Além de ser um dos três medalhistas de ouro do Brasil, Samuel fechou a prova com 100% de aproveitamento, acertando todas as questões do desafio. Os outros dois medalhistas são das cidades de Palmas e Recife. A olimpíada contou com a participação de alunos do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental, estimulando o interesse dos jovens pelas ciências da natureza, em especial a química.

A competição também revela talentos como o teresinense Samuel, que mal recebeu a notícia da conquista e já está sendo disputado por renomadas escolas particulares fora do Estado. Samuel William é um dos mais dedicados alunos do Programa Cidade Olímpica Educacional, criado pela Prefeitura de Teresina para aprofundar os conhecimentos de alunos em disciplinas específicas.

O professor Fábio Júnior foi um dos que preparou o campeão para a olimpíada de química. Segundo ele, essa é a terceira vez que Samuel participa da competição, alcançando resultados cada vez melhores. “Ele começou a participar do Cidade Olímpica ainda no 7º ano, ganhou menção honrosa na primeira participação, depois foi um dos dois alunos medalhistas de bronze no Piauí, desta vez nos trouxe essa surpresa. É um aluno exemplar, focado e disciplinado, estamos extremamente orgulhosos”, conta.

Criado pelos avós, o menino de ouro sonha em cursar medicina. Na Escola Municipal Antilhon Ribeiro é só festa. A conquista do Samuel anima os colegas e mostra a importância de ter foco nos objetivos. A diretora Rosimay Monteiro conta que o menino de origem humilde sempre foi o primeiro da turma, querido por todos os professores.

“O Samuel é um garoto incrível, os professores são apaixonados pela dedicação que ele mostra em sala de aula, sempre adiantado nos conteúdos. Acompanhamos toda sua trajetória de superação de vida e agora é só emoção e felicidade. Dá até um certo ciúme quando recebemos ligação de escolas de fora querendo levá-lo”, brinca a diretora.

Orientação

Psicóloga orienta como identificar se a criança está sofrendo abuso sexual

Saiba quais os cuidados que os pais devem ter com os filhos e os indicativos que as crianças dão de que podem estar sendo vítimas desse tipo de violência.

Publicada em 17 de julho de 2018 - 17:23

Imprimir
Psicóloga orienta como identificar se a criança está sofrendo abuso sexual

Última atualização: 17 , julho 2018 - 17:23

Infelizmente, casos de violência e abuso sexual contra crianças e adolescentes são mais comuns do que se imagina. Pensando nisso, a psicóloga Anna Lívia Soares alerta os pais para os cuidados que devem ter com os filhos e os indicativos que eles dão de que podem estar sendo vítimas desse tipo de violência.

“A possível mudança no padrão de comportamento das crianças é um fator facilmente perceptível, pois costuma ocorrer de maneira repentina e brusca, se a criança nunca agiu de determinada forma e, de repente, passa a agir, se começa a apresentar medos que não tinha antes, ou então mudanças extremas no humor, a criança era extrovertida e passa a ser muito introvertida, era calma e passa a ser agressiva, essa mudança também pode se apresentar com relação a uma pessoa específica, o possível abusador, ou a uma determinada atividade em particular”, indica.

A profissional  revela que em muitos casos, a criança pode demonstrar rejeição em relação ao abusador, neste caso, é preciso usar o bom senso para identificar quando uma proximidade excessiva também pode ser um sinal.

“A regressão também pode ser um sinal, que é o recorrer a comportamentos infantis, que a criança já tinha abandonado, mas volta a apresentar de repente, como fazer xixi na cama ou voltar a chupar chupeta, ou ainda começar a chorar sem motivo aparente. Começam a ter segredos, para manter o silêncio da vítima, o abusador pode fazer ameaças de violência física e promover chantagens para não expor fotos ou segredos compartilhados pela vítima”, explica.

Diante desse quadro grave, Anna Lívia Soares aponta que também é comum que usem presentes, dinheiro ou outro tipo de benefício material para construir a relação com a vítima. A profissional sintetiza que a criança ainda pode vir a apresentar uma sexualidade bem evidente, ou seja, quando uma criança que nunca falou de sexualidade começa a fazer desenhos em que aparecem genitais ou começa a fazer brincadeiras de cunho sexual.

“Há também os sinais mais óbvios de violência sexual, casos que deixam marcas físicas, é interessante ficar atento também a possíveis lesões que possam aparecer, roxos ou dores e inchaços nas regiões genitais. A negligência familiar também coloca a criança em uma situação de maior vulnerabilidade, por exemplo, uma criança que passa horas sem supervisão ou que não tem o apoio emocional da família, com o diálogo aberto com os pais e também a negligência no sentido de muitas vezes o abuso sexual vir acompanhado de outros tipos de maus tratos que a vítima sofre em casa”, frisa.

Na luta para prevenir essa violência, a psicóloga orienta que o diálogo sempre é o mais importante para criar essa relação de confiabilidade entre a criança e sua família, orientar a criança a não permitir que pessoas a toquem, toquem nos seus órgãos genitais e fugir de abordagens suspeitas (nos casos de adolescentes).

“Importante também que, quando a criança tentar falar alguma coisa, que ela se sinta ouvida e acolhida. Que nunca o adulto questione aquilo que ela está contando, ou que tente responsabilizá-la por algo ocorrido”, complementa.

Fonte: Redação Piauí Agora

tecnologia x educação

Estudante piauiense lança canal sobre resumos em História

Jovem lançou canal o último final de semana para ajudar estudantes de escolas públicas

Publicada em 18 de junho de 2018 - 10:10

Imprimir
Estudante piauiense lança canal sobre resumos em História

Fonte: Daniely Viana

Última atualização: 20 , junho 2018 - 09:36

O ensino em história de modo leve e divertido, é com esses objetivos que o estudante piauiense Claudean Araújo, 25 anos, montou seu canal no YouTube. Intitulado “Senta que lá vem História”, o jovem lançou a plataforma no último final de semana e já chama atenção dos seguidores.

Cursando o último período do curso de História em uma faculdade particular na capital, o estudante conta como teve a ideia de lançar um canal segmentado, ainda no primeiro semestre de 2018. Ele estava lecionando (como estagiário) em turmas de terceiro ano do ensino público da cidade.

“A maior parte desses alunos estava se preparando para o Enem e eles sempre comentavam que gostavam da minha aula. Assim eu pensei em ajudar esses estudantes que não têm condições de pagar um curso particular e, também, para engajar meu trabalho”, explica.

O primeiro vídeo do canal fala sobre Revolução Industrial. Em pouco mais de nove minutos, Claudean tenta esclarecer mitos e verdades sobre uma das fases mais importantes da história mundial.

“Olhei as provas anteriores do Enem e vi que esse é um assunto muito presente dentro do conteúdo de História Geral. Então, é uma temática pertinente para o canal, pois possivelmente pode cair na prova deste ano”, pontua.

Para o futuro ele pretende se dedicar mais ao canal e também vê a plataforma como outras oportunidades. “Eu pretendo, assim que me formar, expandir e publicar mais vídeos. Também penso dentro de sala de aula, até porque o Youtube pode ser uma porta para o mercado de trabalho”, finaliza.

COMO PROCURAR PELO CANAL

Para acessar, basta clicar neste LINK, ou digitar na busca do YouTube “Senta que lá vem história”.

Para a próxima aula, o estudante prepara conteúdo sobre História do Brasil.

14ª edição

Mais de 203 mil alunos da rede estadual fazem prova da OBMEP

A OBMEP é destinada a estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio

Publicada em 5 de junho de 2018 - 9:26

Imprimir
Mais de 203 mil alunos da rede estadual fazem prova da OBMEP

Fonte: Redação Piauí Agora

Última atualização: 5 , junho 2018 - 09:26

Acontece nesta terça-feira (05/06), a primeira fase da 14ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). Somente no Piauí, 203.637 alunos na rede pública participam de uma das maiores competições de matemática do Brasil.

A OBMEP é destinada a estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, e tem como objetivo estimular o estudo da matemática, além de revelar talentos.

Dessa forma, os preparativos nas escolas públicas de Teresina foram finalizados na véspera da prova, como Centro de Ensino de Tempo Integral Pinheiro Machado, localizado no bairro Dirceu, em Teresina.

De acordo com a diretora, Rejane Coelho, a escola realizou nesta segunda-feira (04/06) uma revisão com aplicação de testes e desafios, bem como oficina de material concreto.

Os alunos vencedores recebem medalhas de ouro, prata e bronze. Professores, escolas e secretarias municipais de educação também concorrem a prêmios, de acordo com o desempenho dos alunos.

fique atento

Educação dos filhos: a importância de impor limites

O estabelecimento de limites e regras claras é importante

Publicada em 23 de maio de 2018 - 12:27

Imprimir
Educação dos filhos: a importância de impor limites

Fonte: Sileli Santiago

Última atualização: 23 , maio 2018 - 12:29

Para criar uma criança segura e feliz é importante estabelecer regras e definir limites para ela. Quando os pais lidam com o limite com tranquilidade e segurança, constroem para seus filhos um ambiente funcional e que permite a eles entender que o mundo não é uma fonte de prazer inesgotável. O estabelecimento de limites e regras claras é importante para que as crianças aprendam a lidar com as frustrações presentes na adolescência e na fase adulta. Uma criança que entende que não pode tudo cresce mais independente e emocionalmente mais madura.
 
Na hora de impor um limite para o seu filho, lembre-se de que dizer o que quer que a criança faça, de forma clara e oferecendo opções, é o melhor caminho para ajudá-la a entender o comando. Evite dizer apenas “não”. O ‘não’ cria uma imagem mental que estimula a criança a fazer exatamente o que se pede para que ela não faça. Quando você diz ‘não ponha o dedo na tomada’, o que fica na cabecinha da criança é ‘tomada’. O ideal é dar um comando no afirmativo: “filho, venha para perto da mamãe”.
Crianças são diferentes de adultos e ainda não são capazes de lidar com seus impulsos, por isso, precisam ser constantemente lembradas do que pode e do que não pode e das consequências de seus atos. Um erro recorrente dos pais é implorar aos seus filhos para que estes respeitem os limites estabelecidos na família ou cumpram com suas obrigações. Também não precisa dar extensas explicações. As crianças não mantem a atenção durante um discurso longo. E lembre-se que elas ainda obedecem ao princípio do prazer e não estão preparadas para avaliar as necessidades impostas pela realidade. Seja diretivo, as crianças precisam entender que existe uma diferença hierárquica entre pais e filhos e que os pais fazem determinadas exigências para o bem delas.
 
As crianças devem ser acostumadas a agir dentro de um senso de obrigação. Evite oferecer algo para que ela obedeça ao seu comando. Você vai se sentir vulnerável a ter que pensar em maiores e melhores ‘mimos’ com o tempo. Não imponha limites com frases do tipo “se você não fizer isso.. então eu irei…”. Ao invés disso, peça apenas uma vez e de forma enérgica e em tom baixo, mostrando que você está no controle tanto da própria voz quanto da criança.
Dizer “não” para o seu filho não é traumático. A criança só vai saber até onde pode ir quando tem limites claros e estabelecidos. É assim que ela aprende a ajustar-se às regras e conhecer suas possibilidades. Não se sinta culpado por estabelecer limites!
Por:  Sileli Santiago, psicóloga e psicopedagoga