tratamento

Simaria revela aos fãs novo problema de saúde

A revelação foi divulgada pela própria cantora no domingo (23/09).

Publicada em 24 de setembro de 2018 - 13:18

Imprimir
Simaria revela aos fãs novo problema de saúde

Última atualização: 24 , setembro 2018 - 13:20

Afastada dos palcos devido ao tratamento para se curar de uma Tuberculose Ganglionar, Simaria está com mais um problema de saúde: gastrite. A revelação foi divulgada pela própria cantora no domingo (23/09).

Simaria passou mal no último dia 15 de setembro e não conseguiu se apresentar com a irmã no último show.  No post, ela explica que a sua ausência foi causada por uma inflamação no estômago, devido a uma bactéria, provavelmente presente em uma comida que ela havia ingerido.

“Por esses motivos, meu medico Dr. David Uip, em comum acordo com a equipe dele, decidiram me afastar dos shows, mas continuarei trabalhando no nosso DVD, que estar por vir e vai ficar lindo, e alguns outros compromissos previamente autorizados pelo Dr. David”, diz.

A cantora gradeço o carinho dos fãs e promete que vai dividir com o público sua rotina o afastamento.

dois meses fora dos palcos

Devido a doença de Simaria, Simone anuncia pausa nos shows da dupla

Simone se apresentou sozinha em Santa Catarina e explicou o motivo: a irmã precisou ir ao hospital pois havia passado mal

Publicada em 16 de setembro de 2018 - 19:11

Imprimir
Devido a doença de Simaria, Simone anuncia pausa nos shows da dupla

Última atualização: 16 , setembro 2018 - 19:11

Para surpresa dos fãs da dupla Simone e Simaria, ontem (15), foi o último show das coleguinhas, pelo menos por enquanto. Simone se apresentou sozinha em Santa Catarina e explicou o motivo: a irmã precisou ir ao hospital pois havia passado mal. Além disso, ainda revelou que a dupla daria uma pausa na carreira por dois meses, até o fim do tratamento médico na qual a Simária está passando.

Simone, contou para o público o difícil momento que Simaria está passando. “Ela começou a passar muito mal e nesse momento ela se encontra fazendo novos exames por conta da doença dela. Por esse motivo, amanhã, domingo, a gente vai dar uma pausa nos nossos trabalhos, a espera de concluir o tratamento da Simaria”, contou bastante emocionada.

Em abril deste ano, Simaria foi diagnosticada com tuberculose ganglionar e precisou ficar afastada dos palcos, retornou em agosto. A irmã Simone cumpriu a agenda de shows sozinha, mas, dessa vez, a pausa será para as duas.

PREVENÇÃO

Pré-natal previne síndrome hipertensiva

As pacientes que podem ter maior predisposição são as com idade materna superior a 35 anos e menor que 18 anos, obesas, gestação gemelar, história familiar ou pessoal de pré- eclampsia, diabetes, lúpus, hipertensão arterial crônica e trombofilias.

Publicada em 14 de maio de 2018 - 13:31

Imprimir
Pré-natal previne síndrome hipertensiva

Fonte: Redação Piauí Agora

Última atualização: 14 , maio 2018 - 17:48

Síndrome hipertensiva que acomete até 8% das gestantes, a pré-eclâmpsia exige uma série de cuidados médicos, de modo a evitar complicações durante a gravidez, garantindo a segurança materna e do bebê. O especialista Henderson Retrão, obstetra do Hospital Rio Poty, explica como o problema surge e quais pacientes podem ter maior predisposição à doença. 

A causa da doença ainda é desconhecida e pode estar relacionada a fatores placentários, imunológicos, alterações inflamatórias ou endoteliais, predisposição genética, fatores nutricionais e estresse. As pacientes que podem ter maior predisposição são as com idade materna superior a 35 anos e menor que 18 anos, obesas, gestação gemelar, história familiar ou pessoal de pré- eclampsia, diabetes, lúpus, hipertensão arterial crônica e trombofilias”, esclarece o especialista.

 Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a pré-eclâmpsia é responsável por 14% dos casos de óbito materno no mundo, sendo que no Brasil é atualmente a principal causa de óbito nessa população. O obstetra ressalta que a realização do pré-natal é imprescindível para evitar que a doença evolua para formas mais graves.

“A pré-eclâmpsia pode evoluir para formas mais graves como a eclâmpsia (hipertensão associada a convulsão), podendo gerar risco de morte para a mãe e para o feto, sendo importante o diagnóstico precoce.  Além da rotina de pré-natal, as gestantes com risco de desenvolver a doença devem se consultar com mais frequência, controlar o peso, aferir a pressão com mais regularidade e realizar exames para pesquisa de proteinúria”, indica.

O especialista orienta que depois de instalada a doença, medidas como repouso, dieta pobre em sódio, sedativos ou medicações hipotensoras podem ser utilizados com intuito de prevenir as crises convulsivas, controlar o crescimento e vitalidade do feto e postergar a interrupção do parto, evitando as complicações associadas a uma possível prematuridade. “É importante salientar que a pré-eclâmpsia regride espontaneamente após a retirada da placenta”, disse. 

Henderson Retrão aponta que as gestantes devem procurar seu ginecologista antes de engravidar para avaliação clínica, comparecer a todas as consultas de pré-natal e seguir rigorosamente as orientações. Fazer exercícios físicos orientados, reduzir o sal nas refeições e lembrar sempre que a pré-eclâmpsia é uma doença insidiosa que pode ser assintomática e evoluir da forma leve para a forma complicada, desde que não haja os cuidados necessários.