COPA 2018

RETROSPECTIVA : Na Copa das zebras, França campeã após fracasso de gigantes

Com quedas prematuras de Brasil, Alemanha, Espanha e Argentina, Croácia fez história chegando à final; relembre o Mundial de 2018

Publicada em 12 de dezembro de 2018 - 11:54

Imprimir
RETROSPECTIVA : Na Copa das zebras, França campeã após fracasso de gigantes

Última atualização: 14 , dezembro 2018 - 11:48

Qual foi o fato mais marcante da Copa do Mundo de 2018? O fiasco da Alemanha na primeira fase, a eliminação da Seleção Brasileira para a Bélgica ou as “quedas” de Neymar em campo? No Mundial em que a França conquistou o bicampeonato vencendo a surpresa Croácia na final, outros destaques foram a estreia do VAR no torneio e o mascote “Canarinho Pistola”, sensação fora dos gramados que agitou torcedores por onde a delegação do Brasil passou. O Terra traz, em mais um especial da Retrospectiva 2018, os episódios mais memoráveis (para o bem ou para o mal) da Copa da Rússia.

Mesmo após 16 anos sem levantar a taça e voltando à Copa com o peso do 7 a 1 histórico de 2014, a Seleção pousou em solo russo com grande expectativa. O técnico Tite havia assumido o time em meio à crise do futebol brasileiro nas eliminatórias, em 2016, a dois anos do Mundial. Em seis jogos com o ex-técnico Dunga, a equipe ocupava a sexta colocação na tabela, ou seja, fora da zona de classificação para a Copa, e vinha de uma pífia eliminação para o Peru na Copa América Centenário.

Tite chegou com a missão de recuperar o futebol e a confiança perdidos no tempo. E o sucesso foi inquestionável. O Brasil atropelou seus adversários sul-americanos, se classificando em 1º, dez pontos à frente do 2º colocado, o Uruguai, e foi à Copa de peito estufado para desafiar os principais favoritos ao título: Alemanha, Espanha e França. Em momento conturbado dentro e fora de campo, a Argentina corria por fora.

Hexa adiado outra vez

A campanha nas eliminatórias foi avassaladora, mas na Copa foi diferente. O Brasil alternou bons e maus momentos durante o torneio. Na primeira fase, não conseguiu se impor contra a Suíça (empate em 1 a 1) e sofreu para vencer a Costa Rica (2 a 0, com os dois gols nos acréscimos). No jogo decisivo antes do mata-mata, derrotou a Sérviapor 2 a 0 com um futebol eficiente, sem grandes sustos.

Nas oitavas, contra o México, veio a melhor atuação do Brasil na Copa. Não que tenha sido uma exibição de gala, mas a equipe de Titeconseguiu fazer uma partida digna da tradição da Seleção Brasileira. Com a melhora de produção de Neymar e William, o time conseguiu envolver o adversário na maior parte do jogo. A vitória, também por 2 a 0, aconteceu com gols de Neymar e Firmino.

Porém, havia um De Bruyne no caminho. Contra a Bélgica, o Brasil esbarrou não só no talento dos belgas, comandado pelo craque do Manchester City, mas também em suas próprias limitações. Um dos principais problemas escancarados na eliminação brasileira foi a falta de um referência no ataque. Gabriel Jesus, apesar de jovem e promissor, não foi bem como centroavante e deixou a Rússia sem balançar as redes sequer uma vez. Além disso, Neymar voltou a cair de rendimento e, sem ele, o time desmoronou. O placar final foi de 2 a 1, gols de Fernandinho (contra) e De Bruyne, para a Bélgica, e de Renato Augusto, para o Brasil.

Neymar: de ‘candidato’ a melhor do mundo à piada mundial

Neymar chegou à Copa sustentando o posto de jogador mais caro da história, com a transferência do Barcelona para o Paris Saint-Germain, em 2017, por 222 milhões de euros (cerca de R$ 822 milhões). Apesar de vir de recuperação de cirurgia após fratura no quinto metatarso do pé direito, o craque brasileiro era a grande esperança da Seleção para brilhar na Rússia. “Se fizer uma grande Copa e levar o Brasil ao título, será o melhor do mundo”, diziam muitos torcedores e comentaristas na época.

Porém, a expectativa começou a ruir a cada atuação abaixo da média. Além de pouco conseguir colocar em prática todo o seu talento, o atacante, muito marcado pelos adversários, exagerava nas quedas e nas reclamações em campo. A atuação de Neymar passou a ser avaliada mais pelas “encenações” do que pelo futebol jogado. Pior: suas quedas no gramado viraram alvo de diversas brincadeiras ao redor do mundo.

Copa do Mundo 2108

França derrota Bélgica e garante vaga na final da Copa

Com a vitória, França segue para a final e Bélgica é eliminada.

Publicada em 10 de julho de 2018 - 17:53

Imprimir
França derrota Bélgica e garante vaga na final da Copa

Última atualização: 10 , julho 2018 - 17:53

França venceu da Bélgica por 1 a 0 na tarde desta terça-feira, (10/07), pela semi-final no Estádio São Petersburgo, na Rússia. Com a vitória, França garante vaga na final da Copa do Mundo 2018 e Bélgica lutará para o terceiro lugar.

A partida foi para lá de movimentada e com várias chances de gols para ambos os lados. No entanto, o único gol da partida foi do zagueiro Samuel Umtiti, já no segundo tempo do jogo. Escanteio fechado de Griezmann, Umtiti se antecipa a Felaini e consegue o desvio de cabeça, mandando pro fundo da rede.

A seleção francesa é dirigido pelo técnico Didier Deschamps, capitão no título de 1998. Já a estrela da partida foi Samuel Umtiti, 24 anos, que é natural de Camarões na África do Sul.

ÚLTIMA DA SEMI-FINAL

Amanhã, (11/07),  a partir das 15hs (horário de Brasília), será a vez da decisão para a última vaga da final entre Inglaterra e Croácia, no Estádio Lujniki, em Moscou na Rússia.