Wellington tenta destravar pagamento de R$ 860 milhões da Cepisa

Publicada em 15 de maio de 2019 - 9:43

Imprimir
Wellington tenta destravar pagamento de R$ 860 milhões da Cepisa

Última atualização: 15 , maio 2019 - 11:58

O governador Wellington Dias, em reunião com gestores de alguns órgãos do Estado, tratou sobre uma possível solução para o pagamento, por parte da União, de recursos relativos à venda da Cepisa. São pelo menos R$ 860 milhões que aguardam o destravamento de processos burocráticos que inviabilizam o pagamento.

Segundo dados apresentados pelo Estado, o contrato que federalizou a Cepisa, em 1997, previa o pagamento de um montante ao Piauí caso a mesma fosse privatizada posteriormente, fato que se concretizou no ano passado, quando a autarquia foi comprada pela empresa Equatorial Energia.

Os valores giram, atualmente, em torno de R$ 860 milhões e é resultado de dividendos contraídos pelo Estado durante o processo de federalização.

“Tratamos sobre uma audiência que será realizada no dia 31 deste mês ainda para a busca de uma solução para o pagamento por parte da União em relação à Cepisa. Acho que há um bom caminho e acredito que vamos ter a quitação dessa dívida e as condições de mais recursos para investimentos”, garantiu o governador.

Da Redação

PROCESSO DE RESTAURAÇÃO

CAU/PI e Cepisa participam de audiência sobre restauração de painéis e tombamento da sede da empresa

A promotora Gianny Vieira de Carvalho elogiou a atuação do CAU/PI na defesa do patrimônio histórico, cultural e arquitetônico, ressaltando que o Conselho foi o primeiro entre os órgãos de fiscalização a apurar in loco a denúncia feita nas redes sociais.

Publicada em 18 de janeiro de 2019 - 17:27

Imprimir
CAU/PI e Cepisa participam de audiência  sobre restauração de painéis e tombamento da sede da empresa

Última atualização: 18 , janeiro 2019 - 17:29

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Piauí e a Cepisa participaram na manhã desta sexta-feira, na 24ª Promotoria de Justiça, responsável pelo Meio Ambiente, de uma audiência com a promotora Gianny Vieira de Carvalho, para tratar sobre o processo de restauração dos painéis históricos de Afrânio Castelo Branco, localizados na sede da Cepisa.

 Na ocasião, ficou acordado que num prazo de 15 dias, a Cepisa deve encaminhar ao Ministério Público, o parecer técnico de restauração que está sendo elaborado por especialistas da Universidade Federal do Piauí. No parecer técnico devem constar cronograma e valores dos investimentos para a restauração.  A 24ª Promotoria ainda recomendou que a Cepisa está proibida de fazer alterações nos painéis até que o parecer esteja pronto, e qualquer intervenção nos locais deve ser comunicada ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo e a promotoria.

 A promotora Gianny Vieira de Carvalho elogiou a atuação do CAU/PI na defesa do patrimônio histórico, cultural e arquitetônico, ressaltando que o Conselho foi o primeiro entre os órgãos de fiscalização a apurar in loco a denúncia feita nas redes sociais.

 Tombamento da sede da Cepisa

 Ainda durante a audiência, o presidente do CAU/PI, Wellington Camarço, aproveitou para reivindicar a abertura de um diálogo no sentido de proteger o prédio sede da Cepisa, construído na década de 1970 com projeto do arquiteto e urbanista Antônio Luiz. O presidente ressaltou que a sede da Cepisa, embora atualmente seja patrimônio privado, tem importância histórica para a arquitetura piauiense. O projeto tem planta circular, possuindo pátio central interno e linguagem brutalista.

 O representante da Cepisa na reunião, advogado Windsor Silva Santos Júnior, também informou que a empresa está reunindo detalhes sobre o prédio e vai buscar diálogo com o autor do projeto.

 Participaram da reunião, além da promotora Gianny Vieira de Carvalho, o presidente do CAU/PI, Wellington Camarço, o assessor jurídico Diego Alencar e a gerente de fiscalização Vivian Medeiros. Representando a Cepisa, participaram o advogado Windsor Silva Santos Júnior e a assessora de comunicação e relações institucionais, Júlia Pessoa.

PODA DE ÁRVORES

Cepisa promove ações para o reforço da qualidade da energia

A Cepisa tem hoje à disposição seis equipes especializadas neste serviço, embora, da inspeção prévia, passando pela avaliação do grau de criticidade, elaboração do cronograma e até a execução da poda, cada operação como essa chegue a mobilizar mais de 300 profissionais em todo o Piauí.

Publicada em 21 de novembro de 2018 - 11:59

Imprimir
Cepisa promove ações para o reforço da qualidade da energia

Última atualização: 21 , novembro 2018 - 11:59

De olho na combinação de calor intenso e chuvas irregulares, mas agressivas, com muito raio e ventania, a Cepisa executa ações para reduzir o risco de interrupções no fornecimento de energia, não apenas no período de agosto a dezembro, o chamado B-R-O-BRÓ, como nos meses subsequentes.

Um dos pontos de atenção da companhia é a poda de árvores. Embora uma responsabilidade originária das prefeituras municipais, a Cepisa faz o controle do crescimento desordenado da vegetação quando próxima à rede elétrica. Em 2018, dos 48 mil registros de falta de energia, 20% foram em decorrência do impacto de árvores contra a fiação da Cepisa.

Atualmente em Teresina equipes da empresa realizam por semana podas em 20 áreas de transformação, sendo que cada uma contempla de dois a cinco quarteirões da cidade. O ritmo deste trabalho deve aumentar agora que a Cepisa está costurando uma parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAM).

Tanto a companhia quanto a SEMAM têm levantamentos sobre as localidades com situações mais urgentes de árvores próximas à rede. Partindo do cruzamento destes dados, a empresa conta com o apoio da administração municipal para melhorar a eficiência das ações de poda: enquanto a distribuidora de energia informa onde e quando vai realizar a poda, a SEMAM cuida de recolher os resíduos e encaminhá-los ao seu destino adequado.

A Cepisa tem hoje à disposição seis equipes especializadas neste serviço, embora, da inspeção prévia, passando pela avaliação do grau de criticidade, elaboração do cronograma e até a execução da poda, cada operação como essa chegue a mobilizar mais de 300 profissionais em todo o Piauí. Os podadores eletricistas se utilizam de técnicas diferenciadas para cada tipo de árvore, para cada modalidade de crescimento, tudo seguindo o que foi definido pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Mesmo com todos estes esforços, a colaboração e a conscientização dos cidadãos é fundamental para reduzir os casos de falta de energia em razão de plantas próximas à rede elétrica. “Nós somos os primeiros a querermos uma cidade arborizada, porém quando ocorre um vendaval, são as árvores os primeiros ofensores de qualquer situação: caindo em cima de carros, da rede, elétrica de pessoas. Queremos que as árvores existam, mas dentro de um crescimento ordenado. Por isso há as podas, para que a gente não fique à mercê do risco”, diz Cosme Cezário, diretor de Operações Técnicas e Comerciais da Cepisa.

Cezário alerta a população para contatar, imediatamente, a Cepisa sempre que encontrar uma árvore tocando ou prestes a tocar a rede de energia e não relaxar na vigilância das crianças, uma vez que muitas das plantas nestas condições são frutíferas e possa atrair os menores. O diretor também reforça a atenção de todos com as orientações de segurança relativas à fiação elétrica, como não manusear estruturas metálicas nas suas proximidades, não fazer queimadas e não emitir jatos d’água na direção de fios e postes.

Outro ponto de atenção da Cepisa para garantir ao máximo a normalidade do fornecimento do serviço, é a intensificação das manutenções corretivas e preventivas para controlar o aumento do consumo de energia. No período do B-R-O-BRÓ, o crescimento chega a oscilar de 6 a 12%. Por ora, a nova direção da empresa, efetivada no último mês de outubro, reconhece que, diante do quadro encontrado, ainda é possível que problemas de fornecimento ocorram em razão do aumento da carga consumida, mas destaca que a Companhia faz uso da mobilização emergencial de suas equipes técnicas para o restabelecimento dos serviços o quanto antes, até a execução do plano de manutenção e investimentos na expansão e melhoria do sistema.

MANUTENÇÃO

Regiões da zona Leste ficarão sem energia hoje

O horário da interrupção será entre as 08hs às 12hs. 

Publicada em 20 de novembro de 2018 - 6:05

Imprimir
Regiões da zona Leste  ficarão sem energia hoje

Última atualização: 20 , novembro 2018 - 16:52

A Cepisa informou que nesta terça-feira, (20/11), regiões da zona Leste de Teresina ficarão sem energia elétrica por conta de manutenção na rede de energia elétrica. O horário da interrupção será entre as 08hs às 12hs.

As regiões afetadas são: no Residencial Passargada, Vila Samaritana, Conjunto Iapep, Madrid Residence e Residencial Vila Campestre.

A segunda-feira, (19/11), também foi de manutenção na rede na cidade de Campo Maior e nos povoados Alto do Meio, Altamira e Morada Nova.

CEPISA

Equatorial demite dezenas de trabalhadores

Equatorial Energia, empresa que vem controlando a Cepisa desde que venceu um leilão

Publicada em 7 de novembro de 2018 - 16:40

Imprimir
Equatorial demite dezenas de trabalhadores

Última atualização: 7 , novembro 2018 - 16:41

A diretoria da Equatorial Energia, empresa que vem controlando a Cepisa desde que venceu um leilão sem concorrência em julho deste ano, leilão este que está sendo contestado em várias instâncias judiciais pelo Sindicato dos Urbanitários do Piauí – SINTEPI, continua descumprindo uma decisão da 1ª Vara do Trabalho, que determina que a empresa deve suspender demissão de trabalhadores e cumprir o Acordo Coletivo de Trabalho. Mais quatro empregados foram demitidos nesta terça-feira, totalizando 16 demissões em apenas 12 dias úteis que a empresa assumiu o controle da antiga Cepisa, além de demitir oito terceirizados e as informações é que são dezenas de outros já informados extraoficialmente que serão desligados da empresa.

 Essas medidas ferem frontalmente a referida liminar da Justiça do Trabalho e criam terror no interior da empresa com demissões sem justificativa. O sindicato já acionou seu departamento jurídico para que toda demissão seja revogada, fazendo-se cumprir os efeitos da liminar. Além disso, na próxima sexta-feira (09), a categoria se reunirá na frente do prédio sede da Cepisa na Av. Maranhão, a partir das 17h30, para Assembleia Geral Extraordinária, com o intuito de realizar ato de protesto contra as demissões e tirar encaminhamentos para fazer frente às políticas arbitrárias da Equatorial.

                A juíza Thania Maria Bastos Lima, titular da 1ª Vara do Trabalho de Teresina, concedeu, no último dia 30 de outubro, liminar que proíbe demissões na Equatorial até 30 de abril de 2019, quando encerra o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria, bem como determina a revogação das demissões, com o retorno dos trabalhadores a seus cargos de origem. Com as últimas demissões, a empresa, que não é piauiense, mostra que não respeita a Justiça do trabalho no Estado e muito menos cumpre o ACT.

Outra denúncia do SINTEPI é quanto ao compromisso firmado pela Equatorial para reduzir a tarifa de energia para o consumidor em 8,5%, autorizado pela Aneel. Essa promessa foi feita durante o leilão de compra da Cepisa, em 26 de julho. No entanto, a empresa nem comenta mais o assunto. Ao contrário, nos bastidores prepara um estudo de revisão tarifária para aplicar mais um ‘tarifaço’ nas contas de luz. “Lembrando que em outubro do ano passado, já preparando a privatização, aplicaram um aumento nas contas de luz de 27% para uma inflação de 4% ao ano. Imagine quanto de aumento não vem pela frente? Um novo aumento abusivo. Mesmo porque, eles afirmam que o objetivo principal da Equatorial é o lucro. O consumidor e a boa prestação dos serviços ficam em segundo plano”, criticou o presidente do SINTEPI, Paulo Sampaio.

Não bastasse todos esses absurdos, no vendaval que assolou Teresina na última terça-feira, vários bairros da cidade ficaram sem energia. Com o período das chuvas se aproximando, é natural que a Equatorial esteja preparada para lidar com as eventualidades, como queda de árvores, queda de canela, circuitos em redes de energia e outros. Com as demissões e o clima de terror no interior da empresa, espera-se no mínimo a apresentação de um plano operacional para os casos de emergências.

Segundo Turno

500 eletricistas farão plantão para segundo turno nas eleições

Além disso, participarão da escala de plantão 35 engenheiros e técnicos, que terão suporte de 201 caminhões e viaturas.

Publicada em 25 de outubro de 2018 - 17:13

Imprimir
500 eletricistas farão plantão para segundo turno nas eleições

Última atualização: 26 , outubro 2018 - 13:55

A Cepisa vai disponibilizar um total de 500 eletricistas, neste domingo, (28/10), no dia da eleição 2018 referente ao segundo turno. Além disso, participarão da escala de plantão 35 engenheiros e técnicos, que terão suporte de 201 caminhões e viaturas.

As equipes da Cepisa atuarão em Teresina e nas cinco regionais (Norte, Metropolitana, Sudeste, Centro-Sul e Sul) e farão além de manutenções corretivas e preventivas em subestações, linha de transmissão e alimentadores, realizadas nos últimos dias.

De acordo com Joaquim Milhomem, responsável pela área de relacionamento com o cliente da Cepisa, a empresa vai destacar um profissional para acompanhar a realização da eleição nas dependências do tribunal, o que dará agilidade e prioridade aos eventuais atendimentos às zonas eleitorais.

“A companhia vai trabalhar, assim como no primeiro turno, com um plano de manobra para recomposição ágil do sistema em torno do TRE em Teresina”, pontuou.

A Cepisa destaca ainda que a colaboração de toda a população piauiense, no sentido de evitar episódios que possam comprometer o fornecimento de energia elétrica, como a não realização de queimadas nas proximidades de postes, redes e subestações, atos de vandalismo, ligações clandestinas e que, na capital e interior, os motoristas dirijam com segurança, diminuindo assim o risco de acidentes com abalroamento de estruturas da rede elétrica.

No caso de necessidade de qualquer atendimento por parte da população, a Empresa recomenda ligar para a Central de Tele atendimento no número 0800 086 0800, que funciona 24 horas.

PRIMEIRA ETAPA

Na primeira etapa do pleito, a distribuidora de energia elétrica registrou apenas situações isoladas de interrupção no fornecimento, solucionadas em tempo hábil sem oferecer risco à tranquilidade da votação. Dos quase 4.000 locais de votação, apenas 1% deles foram afetados por algum problema relativo à energia elétrica.

Após leilão

Funcionários da Cepisa farão paralisação a partir desta terça

A categoria está organizando um ato político em protesto ao leilão da empresa previsto para acontecer nesta quinta-feira, (30/08). 

Publicada em 27 de agosto de 2018 - 19:18

Imprimir
Funcionários da Cepisa farão paralisação a partir desta terça

Última atualização: 27 , agosto 2018 - 19:23

Os funcionários da Cepisa vão parar as atividades a partir desta terça-feira, (28/08). A decisão foi tomada em assembleia realizada pelo Sindicato dos Urbanitários do Piauí na última terça-feira, (21/08).

A categoria está organizando um ato político em protesto ao leilão da empresa previsto para acontecer nesta quinta-feira, (30/08).

De acordo com Paulo Sampaio, presidente do Sindicato dos Urbanitários do Piauí, o Governo está insistindo em manter o leilão que já aconteceu no dia 26 e que o próximo acontecerá no dia 30.

“É uma greve que está atrelada nessa questão da manutenção da continuidade da entrega das distribuidoras ao capital privado. Os advogados do sindicato estão agindo, no sentido de reverter essa situação, já que se o leilão for suspenso, os funcionários irão retornar ao trabalho “, pontuou.

 

prorrogação

Equatorial deve assumir atividades da Cepisa em outubro

Na última quinta-feira (26), a Equatorial arrematou a empresa por R$ 50 mil.

Publicada em 31 de julho de 2018 - 11:13

Imprimir
Equatorial deve assumir atividades da Cepisa em outubro

Última atualização: 31 , julho 2018 - 11:13

Ficou decidido em assembléia extraodinária nesta segunda-feira (30), a nova data para que a empresa Equatorial Energia assuma a Companhia Energética do Piauí (Cepisa). Na última quinta-feira (26), a Equatorial arrematou a empresa por R$ 50 mil.

Acionistas da Eletrobras prorrogaram o prazo para que a Equatorial inicie as suas atividades no Estado para daqui a 90 dias, ou seja, no final do mês de outubro deste ano. Antes, a data estava prevista para o final do mês de setembro.

A medida visa dar tempo ao governo para finalizar o processo de privatização das outras subsidiárias.

Leilão

Cepisa é arrematada em leilão pela Equatorial por R$50 mil

A Equatorial arrematou por R$50 mil e foi a única a dar um lance.

Publicada em 26 de julho de 2018 - 14:28

Imprimir
Cepisa é arrematada em leilão pela Equatorial por R$50 mil

Última atualização: 26 , julho 2018 - 20:07

A Equatorial Energia arrematou nesta quinta-feira (26/07) a Companhia de Energia do Piauí (Cepisa), no 1º leilão de privatização de distribuidoras controladas pela Eletrobras, realizado na sede da B3 (antiga BM&F Bovespa), em São Paulo. A Equatorial arrematou por R$50 mil e foi a única a dar um lance.

Segundo Moreira Franco, ministro de Minas e Energia, a Equatorial é um grande grupo e bem preparado para atender o Piauí com energia barata e de boa qualidade.

A Equatorial Energia é uma holding e já controla a Cemar, no Maranhão, e a Celpa, no Pará, e tem importante participação no capital da Termoelétrica Geranorte. De capital pulverizado, a companhia tem entre seus acionistas a Blackrock, Opportunity e Squadra Investimentos, além de 69,7% de participação de administradoras e minoritários.

Ao oferecer um lance com índice de deságio de 119 pontos, a Equatorial abriu mão de toda a flexibilização tarifária e ainda pagará uma outorga ao governo para assumir o controle da Cepisa. A nova dona da distribuidora também se compromete a fazer um aporte de R$ 720 milhões na empresa.

Investimento

Governador pede liberação dos recursos do FPE e suspensão do leilão da Cepisa

O valor estimado que está bloqueado para os estados e municípios é de R$14 bilhões, sendo cerca de R$270 milhões do Piauí.

Publicada em 24 de julho de 2018 - 15:14

Imprimir
Governador pede liberação dos recursos do FPE e suspensão do leilão da Cepisa

Última atualização: 24 , julho 2018 - 18:24

O governador Wellington Dias, acompanhado pelo governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, esteve na segunda-feira (24), em Brasília, para tratar do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do leilão de privatização da Cepisa, a distribuidora da Eletrobrás responsável pelo fornecimento de energia no Piauí.

O valor estimado que está bloqueado para os estados e municípios é de R$14 bilhões, sendo cerca de R$270 milhões do Piauí.

Em reunião no Palácio do Planalto com a ministra Carmem Lúcia, presidente da República interina, os governadores relataram a ação dos estados na justiça contra a queda do FPE e pediram pela tomada de medidas para a liberação dos recursos que estão retidos pela União.

“A Constituição Federal não permite este tipo de retenção. O prazo máximo é de 120 dias. Não é razoável que neste momento de grandes dificuldades para as atividades dos estados, execução de obras e programas, haja o bloqueio dessa soma de recursos. Portanto, estamos reivindicando a questão para a ministra, que notificou o Ministério da Fazenda e tomará a sua decisão quando o processo for concluído”, disse Wellington Dias.

O governador do Piauí ainda se reuniu, na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), com o ministro Dias Toffoli, onde tratou da ação de suspensão do leilão da Cepisa, agendado para o dia 26 de julho.

“Querem vender a maior empresa do Piauí por R$50 mil. Este valor não paga 3 km de rede de energia e a Cepisa possui milhares de km. O pior é que a União está vendendo o que não é dela. Em 1998 a empresa foi repassada para a União, foi federalizada e depois incorporada pela Eletrobrás, sendo que na época, a União deu um empréstimo para o estado e ficou de pagar, mas não realizou o pagamento e agora quer vender a empresa. Nesse caso, além de não receber, o estado ficará com a dívida junto ao BNDES. Não podemos aceitar. Vamos esperar pela suspensão do leilão”, explicou.