atenção

Conselho de Medicina Veterinária do Piauí alerta para a prevenção da peste suína no Estado

O Piauí está acompanhando a evolução dos casos e, através dos órgãos de defesa, vem tomando ações preventivas para conter o alastramento da doença

Publicada em 23 de outubro de 2018 - 12:20

Imprimir
Conselho de Medicina Veterinária do Piauí alerta para a prevenção da peste suína no Estado

Última atualização: 23 , outubro 2018 - 12:20

O Ministério da Agricultura detectou focos de peste suína em três cidades do interior do Ceará. O primeiro lugar com registro da doença foi o município de Forquilha, localizado na região norte do Estado, onde pelo menos 130 animais foram sacrificados em uma propriedade. O governo do Ceará decretou estado de emergência nas cidades com os focos da doença e alertou os produtores que não recebam ou vendam porcos para outras cidades. O Piauí está acompanhando a evolução dos casos e, através dos órgãos de defesa, vem tomando ações preventivas para conter o alastramento da doença nos municípios piauienses.

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Piauí (CRMV-PI), Anísio Lima, a peste suína clássica não é transmitida ao ser humano. A enfermidade gera impacto econômico na suinocultura, uma vez que rebanhos acometidos pela doença devem ser sacrificados. Ele também faz um alerta ao Governo para que ofereça condições estruturais aos órgãos públicos, para a prevenção da doença e assim, impedir o seu alastramento.

“Temos um foco no estado do Ceará e há uma necessidade de fortalecimento das barreiras móveis e fixas na entrada dos suínos. A suinocultura é uma realidade no Piauí, onde houve um crescimento exponencial dessa atividade no Estado. Essa doença não é uma zoonose, o seu impacto é observado na produção dos rebanhos que, se acometidos pela enfermidade, devem ser sacrificados na área focal e na área perifocal. Nós sabemos das dificuldades que perpassam os órgãos públicos, mas nesse momento é importante a sensibilidade dos governantes no tocante a prevenção e profilaxia. O CRMV-PI é um órgão articulador e mobilizador que vai alertar os órgãos para que as condições sejam proporcionadas aos profissionais para que eles possam desenvolver suas atividades. É preciso urgente que o Estado se mobilize levando os meios nos mais distantes pontos do Piauí e auxiliando para que os fiscais agropecuários e os pontos focais da Adapi possam se mobilizar junto aos criadores, fortalecendo as barreiras”, explicou o presidente.

Anísio Lima ainda declara que o Estado, com profissionais qualificados e centros de pesquisa, está preparado caso algum foco da doença seja registrado na região. Segundo ele, os criadores devem estar atentos aos sintomas da enfermidade e devem procurar um órgão de defesa ao observar características suspeitas nos rebanhos.

“Temos uma universidade preparada, centros de pesquisa, um quadro técnico de mais alto valor, profissionais gabaritados para agir no combate a essa enfermidade. A peste suína clássica é preventiva e precisa de monitoramento, daí a importância de os criadores estarem atentos. Animal com hemorragia, leitões amontoados nos cantos das pocilgas, manchas cianóticas na pele são alguns sintomas da doença. Ocorrendo esse sintoma, imediatamente o criador deve se dirigir ao escritório da Adapi do seu município e comunicar ao fiscal agropecuário, que sabe o que fazer”, afirmou o presidente do Conselho.

Redação Piauí Agora

Redução

Cai em mais de 70% os casos de dengue no Piauí

Os dados apontam que no ano passado, foram registrados 4.565 casos durante o ano todo e este ano, até o momento, foram registrados 1.295 casos suspeitos.

Publicada em 27 de julho de 2018 - 15:48

Imprimir
Cai em mais de 70% os casos de dengue no Piauí

Última atualização: 27 , julho 2018 - 15:48

A Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (Sesapi), por meio da Coordenação e Controle das Ações de Enfrentamento à Microcefalia, divulgou nesta sexta-feira, (27/07), o balanço no número de casos de dengue no estado e informou que de janeiro até julho deste ano, houve uma queda de 71,6% em relação ao ano passado.
Os dados apontam que no ano passado, foram registrados 4.565 casos durante o ano todo e este ano, até o momento, foram registrados 1.295 casos suspeitos.
Além disso, dentre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, a dengue é a que leva maior número de notificações. Chikungunya é a segunda doença com o maior número de casos no Piauí: foram 351 notificações até o momento. Teresina foi o município mais afetado, com 234 casos notificados.
Segundo Antônio Manoel, supervisor da Vigilância em Saúde, o boletim não apontou nenhuma morte por dengue ou chikungunya neste ano e destaca que mesmo o que estão em nível satisfatório devem se manter alerta.
“Esses dados servem para que tomemos medidas mais efetivas em regiões com maior risco, precisamos desses dados para nortear nosso trabalho. Se um município não notifica sua realidade, ele acaba prejudicando sua população”, ressalta.
Municípios com risco para surto da dengue, zika e chikungunya:
Alagoinha do Piauí
Alvorada do Gurguéia
Belém do Piauí
Betânia do Piauí
Bom Princípio do Piauí
Buriti dos Montes
Caldeirão Grande do Piauí
Campinas do Piauí
Caridade do Piauí
Demerval Lobão
Francisco Macedo
Francisco Santos
Gilbués
Júlio Borges
Jurema
Milton Brandão
Pio IX
Santana do Piauí
Simões

Distribuição

Sesapi recebe 125 mil doses de vacina contra H1N1

As doses serão repassadas, imediatamente, aos municípios, de acordo com o cronograma de distribuição.

Publicada em 16 de maio de 2018 - 16:11

Imprimir
Sesapi recebe 125 mil doses de vacina contra H1N1

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 16 , maio 2018 - 17:14

O Ministério da Saúde repassou a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi), nesta quarta-feira, (16/05), um lote com 125 mil doses contra o vírus H1N1, causador da gripe Influenza.

A Sesapi, por meio de nota, informou que as doses serão repassadas, imediatamente, aos municípios, de acordo com o cronograma de distribuição.

Até o momento, 46 casos da gripe influenza, pelo vírus H1N1, foram registrados em Teresina. Do total, 28 são dos casos de síndrome respiratória aguda grave (casos de internações) e 18 casos de síndrome gripal (casos sem complicações).

A gripe influenza já fez duas vítimas fatais em Teresina. O motorista da Sesapi e uma mulher que estava internada em um hospital privado. Mais casos estão sendo investigados.

PUBLICO-ALVO DA CAMPANHA

  • indivíduos com 60 anos ou mais de idade;

  • crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias);
  • gestantes e puérperas;
  • trabalhadores da saúde;
  • povos indígenas;
  • grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • professores das escolas públicas e privadas;
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

 

Gripe Influenza

Teresina já registra 46 casos do vírus H1N1 em 2018

Do total, 28 são dos casos de síndrome respiratória aguda grave (casos de internações) e 18 casos de síndrome gripal (casos sem complicações).

Publicada em 15 de maio de 2018 - 13:53

Imprimir
Teresina já registra 46 casos do vírus H1N1 em 2018

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 15 , maio 2018 - 18:56

A Fundação Municipal de Saúde informou nesta terça-feira, (15/05), que Teresina já registrou, desde janeiro, 46 casos da gripe influenza, causada pelo vírus H1N1. Do total, 28 são dos casos de síndrome respiratória aguda grave (casos de internações) e 18 casos de síndrome gripal (casos sem complicações).

Até o momento, Teresina soma duas mortes por conta da síndrome respiratória aguda grave por conta do vírus H1N1, que vitimou um motorista da Sesapi e uma mulher que faleceu em um hospital privado no começo do mês. Outros três casos estão sendo investigados.

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, de notificação compulsória, acontecem entre pessoas com comorbidades, o público-alvo da campanha de vacinação. Na rede pública, a vacina contra a gripe está disponível somente para os indivíduos com 60 anos ou mais de idade, as crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade, as gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), os trabalhadores da saúde, os professores das escolas públicas e privadas, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições especiais, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

NOVA REMESSA

Teresina aguarda nova remessa de vacinas que serão enviadas pelo Ministério da Saúde, responsável pelo fornecimento das doses.