Mais um protesto

Motoristas de aplicativos reivindicam restrições de atividades com regulamentação

Os pontos da Regulamentação rejeitados por motoristas de aplicativos são: a limitação de apenas dois mil carros; o emplacamento restrito somente para Teresina e ainda em relação ao ano do carro que deverá ser de no máximo oito anos. 

Publicada em 29 de novembro de 2018 - 15:58

Imprimir
Motoristas de aplicativos reivindicam restrições de atividades com regulamentação

Última atualização: 29 , novembro 2018 - 15:58

Os motoristas de aplicativos na manhã desta quinta-feira, (29/11), se manifestaram em frente a Câmara de Teresina contra a proposta que regulamentar as atividades destes motoristas.

Dentre as propostas da regulamentação não aceitas pelos motoristas dos aplicativos,  estão: a limitação de apenas dois mil carros; o emplacamento restrito somente para Teresina e ainda em relação ao ano do carro que deverá ser de no máximo oito anos.

O vereador Deolindo Moura (PT) nega manobra e diz que a proposta visa acabar com os transportes por aplicativo. “A proposta apresenta pela Prefeitura de Teresina acaba com o serviço por aplicativo, não podemos concordar com isso. Eu me coloco totalmente contra. Não existe manobra, o que queremos é um diálogo maior para não prejudicar nenhum dos lados”, declarou.

João Damasceno, representante do sindicato dos motoristas por aplicativo, afirma que a categoria vai continuar lutando pela aprovação dos três pontos polêmicos.

“Hoje nós temos mais de três mil motoristas por aplicativo. Esse número proposto não nos atende. Além disso os motoristas de táxis tem vários benefícios na hora de comprar um carro, que nós não temos. Não se pode restringir o emplacamento do veículo a Teresina, trabalhadores de cidades próximas como Timon, vão ser prejudicados e vão perder sua fonte de renda, queremos a modificação desses três pontos”, ressalta.

Para João Damasceno, representante do sindicato dos motoristas de aplicativo, a categoria luta pela aprovação dos três pontos que restringem as atividades de acordo com a regulamentação.

“Hoje nós temos mais de três mil motoristas por aplicativo. Esse número proposto não nos atende. Além disso os motoristas de táxis tem vários benefícios na hora de comprar um carro, que nós não temos. Não se pode restringir o emplacamento do veículo a Teresina, trabalhadores de cidades próximas como Timon, vão ser prejudicados e vão perder sua fonte de renda, queremos a modificação desses três pontos”, destaca.

De acordo com Raimundo Bezerra, presidente do Sindicato dos Taxistas, a categoria concorda com a proposta apresentada e aguarda agilidade na votação.

“A categoria exige a regulamentação ainda este ano. Não pode continuar a desigualdade entre o trabalho dos taxistas e dos motoristas de aplicativo. Não vamos aceitar manobras”, pontuou.

 

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Câmara Itinerante discutirá fornecimento de Água e Saúde no Povoado Santa Teresa

Para tentar resolver essas questões, a vereadora Cida Santiago (PHS) propõs uma Audiência Pública, através do Projeto Câmara Itinerante.

Publicada em 21 de novembro de 2018 - 11:55

Imprimir
Câmara Itinerante discutirá fornecimento de Água e Saúde no Povoado Santa Teresa

Última atualização: 21 , novembro 2018 - 11:55

A população que mora no Povoado Santa Teresa, Zona Rural de Teresina, tem reclamado bastante do serviço de abastecimento de água e também do Posto de Saúde que atende a comunidade.

Para tentar resolver essas questões, a vereadora Cida Santiago (PHS) propõs uma Audiência Pública, através do Projeto Câmara Itinerante. A audiência será realizada na próxima sexta-feira (23), a partir das 15h, na Praça do Povoado.

Para a vereadora Cida Santiago, a população cresceu muito e apenas dois poços abastecem os mais de 15 mil habitantes da Santa Teresa, fazendo com que Localidades mais afastadas não tenham acesso ao abastecimento de água. “O Povoado cresceu muito e com este crescimento, a água acaba não chegando em muitas localidades e isso tem só aumentado o sofrimento dos moradores”, afirma.

“Um outro ponto é a questão da Saúde, pois existe muitos relatos da falta de atendimento necessário na Unidade Básica”, relatou a vereadora Cida.

Para o encontro foram convidados os representantes da Associação de Moradores, AGESPISA, Superintendência de Desenvolvimento Rural (SDR), Agência Reguladora de Serviços Públicos de Teresina (ARSETE), Fundação Municipal de Saúde (FMS), Conselho Municipal de Saúde, Ministério Público do Estado, Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Piauí (OAB-PI) e de demais órgãos.

ANIMAIS DOMÉSTICOS

Entidades cobram efetivação da Lei de proteção aos animais domésticos em Teresina

A Lei N° 3.884/2009, que é autoria da vereadora Teresa Britto (PV), trata do programa de proteção aos animais domésticos na capital.

Publicada em 15 de novembro de 2018 - 12:35

Imprimir
Entidades cobram efetivação da Lei de proteção aos animais domésticos em Teresina

Última atualização: 16 , novembro 2018 - 10:32

Durante audiência pública realizada nesta quarta-feira (14/11), na Câmara Municipal de Teresina, entidades ligadas à proteção animal reivindicaram a efetivação da Lei N° 3.884/2009, de autoria da vereadora Teresa Britto (PV), que trata do programa de proteção aos animais domésticos na capital.

De acordo com a representante da Associação Piauiense de Proteção e Amor aos Animais (Apipa), Roseli Klein, a norma, caso efetivada, seria uma importante ferramenta na causa animal em Teresina.

“É uma Lei que nunca saiu do papel. O Executivo precisa efetivá-la e reforçar essas ações, assim como criar espaços de acolhimento e tratamento dos animais domésticos”, diz.

Outra pauta discutida também foi o atendimento realizado no Hospital Veterinário da Universidade Federal do Piauí (HUV). Informações de pessoas que precisaram de atendimento para seus animais deram conta de altas taxas cobradas no centro de saúde. Sobre essa demanda, o diretor do HUV informou que o hospital está em sexto lugar no país em atendimento de hospitais e tem as menores taxas cobradas entre hospitais veterinários do Brasil. Ainda de acordo com o gestor, as taxas cobradas pelos atendimentos não sofreram reajustes durante 15 anos.

Proponente da audiência pública, a vereadora Teresa Britto destaca os encaminhamentos deliberados durante a reunião, como

a solicitação, junto ao Executivo, da construção de um Hospital Veterinário Municipal; criação da Gerência Municipal de Proteção aos Animais; inclusão do veterinário nas equipes multidisciplinares da Estratégia de Saúde da Família; destinação de emendas parlamentares para atendimento médico-veterinário; acompanhamento da liberação dos recursos para reforma do Centro de Zoonoses; e a criação de uma comissão para monitorar todas as deliberações feitas durante a audiência.

Também participaram da audiência o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Piauí, Anísio Ferreira Neto; e os vereadores Luís André (PSL), Teresinha Medeiros (PSL) e Edilberto Dudu (PT).

Irregularidades

Isso é caso de prisão”, diz vereadora Teresa Britto sobre supostos desvios de R$ 320 milhões dos consignados  

O relatório, que aponta a irregularidade nos repasses de consignações do Estado, responsabiliza, dentre outros, o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles.

Publicada em 21 de junho de 2018 - 19:25

Imprimir
Isso é caso de prisão”, diz vereadora Teresa Britto sobre supostos desvios de R$ 320 milhões dos consignados   

Última atualização: 21 , junho 2018 - 19:25

“Isso é caso de prisão e alguém precisa ser responsabilizado”. A afirmação é da vereadora Teresa Britto (PV), que, nesta quinta-feira (21), aproveitou a sessão na Câmara Municipal para falar do relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que aponta supostos desvios de R$ 320 milhões dos empréstimos consignados. O relatório, que aponta a irregularidade nos repasses de consignações do Estado, responsabiliza, dentre outros, o secretário estadual de Fazenda, Rafael Fonteles.

“Segunda-feira vou trazer para a sessão todos os dados deste rombo do Governo Wellington Dias. Não é ficção, é realidade. São dados concretos, apontados pelo TCE. Isso é um caso de prisão para aqueles que estão desviando, roubando dos servidores públicos estaduais”, diz a vereadora.

Teresa falou, ainda, do descredenciamento de muitos hospitais de Teresina do Plamta, o plano de saúde dos servidores públicos estaduais, por conta da falta de pagamento.

“Muitos atendimentos são realizados através do Plamta. É o caso do Hospital São Marcos, referência no tratamento do câncer no Estado. Os servidores podem ficar sem esse atendimento. Isso é muito grave e eu me solidarizo com todos os servidores. Não vou me omitir”, conclui a vereadora.

O objetivo da auditoria realizada pelo TCE, que resultou no relatório, foi verificar a regularidade dos repasses das consignações retidas em folha pelo Poder Executivo referentes ao IASPI-Saúde, PLAMTA, Planos de Seguros, Empréstimos e Financiamentos, e Entidades Representativas de Classe aos respectivos consignatários no exercício de 2017.

 

Fonte: Redação Piauí Agora

Título de Cidadania

Dom Jacinto Brito recebe título de cidadania teresinense

A homenagem foi proposta pela vereadora Teresa Britto (PV).

Publicada em 16 de maio de 2018 - 17:12

Imprimir
Dom Jacinto Brito recebe título de cidadania teresinense

Fonte: Redação Piauí Agora

Última atualização: 16 , maio 2018 - 18:09

O Dom Jacinto Brito, arcebispo metropolitano de Teresina, recebeu nesta quarta-feira, (16/05), no plenário da Câmara municipal de Teresina, o título de cidadania teresinense. A homenagem foi proposta pela vereadora Teresa Britto (PV).

A solenidade contou com a presença da vice-governadora Margarete Coelho, deputados, vereadores, ex-vereador Edvaldo Marques, religiosos e amigos do arcebispo.

Segundo Dom Jacinto Brito, em seu discurso, fala da honra de ser lembrado de maneira especial por Teresina que o acolheu com muito amor e companheirismo.

Teresina é a casa onde me sinto em família e aqui quer permanecer e continuar servindo ao nosso Senhor e a cada ovelha sua”, ressalta.

Para a vereadora Teresa Britto, o Dom Jacinto é como um pai a parlamentar e para todos que têm a hora de tê-lo como arcebispo.

Pedimos que Deus continue abençoando nosso pastor, que tão bem conduz sua missão”, ressalta.

VIDA E TRAJETÓRIA

Dom Jacinto Furtado de Brito Sobrinho nasceu em Bacabal (MA), no dia 16 de junho de 1947. Realizou seus primeiros anos de estudos no Grupo Escolar Osvaldo Aranha (1ª a 4ª séries) e no Colégio Nossa Senhora dos Anjos (5ª a 8ª séries), em Bacabal.

Fez estudos secundários no Seminário Santo Antônio, em Campina Grande. Estudou Filosofia no Seminário Provincial de Fortaleza e no Seminário Regional do Nordeste, em Recife. Cursou Teologia no Seminário Regional do Nordeste, em Recife. Possui formação em psico-pedagogia.

Foi ordenado padre no dia 15 de janeiro de 1972, em Bacabal, e nomeado bispo de Crateús pelo Papa João Paulo II, em 18 de fevereiro de 1998. Dom Jacinto Furtado de Brito Sobrinho é o 2º bispo diocesano de Crateús, sucedeu a Dom Antônio Batista Fragoso. É o 7º arcebispo de Teresina, sucedendo a Dom Sérgio da Rocha.

ASSISTENCIALISMO

Graça Amorim quer expansão do “Mãe Teresinense”

A Semcaspi destacou que, nos primeiros quatro meses do ano, 26 mães de Teresina tem acesso a este benefício.

Publicada em 15 de maio de 2018 - 17:21

Imprimir
Graça Amorim quer expansão do “Mãe Teresinense”

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 16 , maio 2018 - 16:49

A vereadora Graça Amorim (PMB) anunciou nesta terça-feira, (15/05), na Câmara Municipal de Teresina que pretende expandir o Programa “Mãe Teresinense”, que é uma iniciativa que acolhe mulheres grávidas em situação de vulnerabilidade social.

A Semcaspi destacou que, nos primeiros quatro meses do ano, 26 mães de Teresina tem acesso a este benefício.

Graça Amorim já elaborou o requerimento da solicitação para a Fundação Municipal de Saúde (FMS), Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) e a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi)

Segundo a parlamentar, o Programa “Mãe Teresinense” está sendo prestado somente na zona Norte de Teresina e a proposta é expandir para todas as regiões da capital, inclusive a zona rural.

Para ter acesso ao programa, basta que a mãe tenha o cartão de acompanhamento do posto de saúde da sua comunidade e registro através do CRAS para que possa preencher os requisitos e receber este tipo de benefício da PMT”, afirma a vereadora.