Feminicídio

Suspeito de matar cabeleireira tem casa cercada pela polícia

O principal suspeito do crime é o ex-namorado de Aretha Claro, identificado como Paulo Neto.

Publicada em 16 de Maio de 2018 - 17:17

Publicado por | Fonte: Márcia Gabriele

Imprimir
Suspeito de matar cabeleireira tem casa cercada pela polícia

Última atualização: 16 , Maio 2018 - 17:17

O suspeito de matar a cabeleireira, Aretha Dantas Claro, teve a casa, localizada no Bairro Renascença, zona sudeste de Teresina, cercada pela Polícia Civil do Piauí na tarde desta quarta-feira, (16/05), A vítima foi sepultada na manhã de hoje. 

O principal suspeito do crime é o ex-namorado de Aretha Claro, identificado como Paulo Neto e poderá ser preso a qualquer momento. 

De acordo com informações, o suspeito Paulo Neto teria escrito uma carta a punho e no papel havia marcas de sangue.

Aretha Dantas Claro, 32 anos, foi encontrada morta nessa terça-feira (15/05), na Avenida Maranhão, região Centro/Sul de Teresina, com várias perfurações no corpo, marcas de atropelamento, rosto desfigurado e sem uma parte do couro cabeludo.

Aretha Dantas Claro, 32 anos

Violência Contra á Mulher

É revelada identidade de mulher morta na Avenida Maranhão

A vítima é Areta Dantas Claro, 32 anos, que era cabeleireira e residia no Bairro Saci, zona Sul de Teresina.

Publicada em 15 de Maio de 2018 - 16:26

Publicado por | Fonte: Márcia Gabriele

Imprimir
É revelada identidade de mulher morta na Avenida Maranhão

Última atualização: 16 , Maio 2018 - 16:26

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), conseguiu a identificar a mulher encontrada morta nesta terça-feira, (15/05), na Avenida Maranhão, Centro/Sul de Teresina.

A vítima é Areta Dantas Claro, 32 anos, era cabeleireira e residia no Bairro Saci, zona Sul de Teresina. Ela apresenta lesões no corpo causado por atropelamento, cerca de 20 perfurações com arma branca e está sem uma parte do couro cabeludo e rosto desfigurado.

De acordo com o delegado Francisco Barretta, coordenador da Delegacia de Homicídios, a polícia segue a investigação na tentativa de descobrir os últimos passos e o autor do crime.

A polícia trabalha com suspeita de homicídio, mas todos os crimes violentos cometidos contra a mulher têm que ser enviados ao Núcleo de Feminícidio”, pontuou.

A coordenadoria do Núcleo de Feminicídio da Polícia Civil do Piauí, coordenada pela delegada Luana Alves, ajudará nas investigações.