Caso Aretha

Assassino de Aretha Dantas vira réu pelo crime de feminicídio

O réu se entregou no dia 16 de maio, após a Polícia Civil revistar a sua casa e encontrar indícios do crime.

Publicada em 12 de junho de 2018 - 23:31

Imprimir
Assassino de Aretha Dantas vira réu pelo crime de feminicídio

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 12 , junho 2018 - 23:31

Paulo Alves dos Santos Neto, réu confesso de ter assassinado a ex-namorada Aretha Dantas, 23 anos, tornou-se nesta terça-feira, (12/06), réu pelo crime de feminicídio. O réu se entregou no dia 16 de maio, após a Polícia Civil revistar a sua casa e encontrar indícios do crime.

A denúncia foi aceita pelo juiz Antônio Reis Nollêto e o agressor passa a responder por esta acusação. “Verifica-se demonstrada a justa causa para a deglagração da ação penal, pois presente a prova da materialidade do fato, pela Recognição Visuográfica em local de Crime, Laudo Cadavérico da vítima e indícios de autoria/participação atribuídos ao denunciado, evidenciados pelos depoimentos testemunhais e do próprio acusado, colhidos durante investigação criminal”, menciona juiz Antônio Nollêto.

O Corpo de Aretha Dantas foi encontrado, no mês passado, na Avenida Maranhão, com sinais de perfurações por arma branca e sinais de atropelamento.

Caso Aretha Dantas

Justiça nega insanidade mental a acusado de matar cabeleireira

Aretha Dantas foi morta com requintes de crueldade na última terça-feira, (15/05), com 20 facadas seguida de atropelamento e o corpo foi encontrado na Avenida Maranhão.

Publicada em 28 de maio de 2018 - 23:31

Imprimir
Justiça nega insanidade mental a acusado de matar cabeleireira

Fonte: Márcia Gabriele

Última atualização: 28 , maio 2018 - 23:31

Um dia após a data que marca Combate ao Feminicídio, em nível estadual, o juiz Luiz Moura, da Central de Inquéritos, negou nesta segunda-feira, (28/05), insanidade mental do motorista Paulo Alves dos Santos Neto, acusado de matar a ex-esposa Aretha Dantas, 33 anos.

A defesa entrou com pedido alegando que Paulo Neto tem distúrbios mentais.

Segundo o juiz Luiz Moura, a solução buscada pela defesa não se apresenta própria para o caso, razão do indeferimento.

“Não vislumbro, no momento, elementos mínimos a justificar a instauração de incidente de insanidade em desfavor do acusado. Em decorrência dos mesmos motivos, a súplica de perícia privada não merece acolhida”, pontuou.

Aretha Dantas foi morta com requintes de crueldade na última terça-feira, (15/05), com 20 facadas seguida de atropelamento e o corpo foi encontrado na Avenida Maranhão.