FMS já castrou 323 animais entre janeiro e maio

Publicada em 3 de julho de 2019 - 10:03

Imprimir
FMS já castrou 323 animais entre janeiro e maio

Última atualização: 3 , julho 2019 - 10:03

A aposentada Genésia Pereira, 76 anos, decidiu realizar a castração do seu cachorrinho Hércules e recorreu ao serviço oferecido gratuitamente pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). A cirurgia de esterilização é oferecida para animais de família de baixa renda. Somente entre janeiro e maio de 2019, 323 procedimentos já foram realizados.

O principal benefício da castração é o controle reprodutivo dos animais. “Esse procedimento evita crias indesejadas, contribuindo para diminuir a quantidade de cães e gatos abandonados nas ruas da cidade. Menos animais sem dono significa menos risco de transmissão de zoonoses”, afirma a gerente da Gerência de Zonooses da FMS, Oriana Bezerra.

Para dona Genésica, a castração trouxe muitos benefícios para seu cão. “Percebemos que o seu comportamento mudou: era muito agitado e ficou manso. Isso foi muito bom, porque essa cirurgia também aumenta alguns anos de vida e ele ainda fica livre de algumas doenças”.

O programa de castração de cães e gatos em Teresina é uma realidade desde 2016, após convênio firmado entre a FMS e o Hospital Veterinário. O dono do animal deve ir à Gerência de Zoonoses e levar os documentos necessários (comprovante de residência, RG e algum comprovante de situação de vulnerabilidade) para agendar a cirurgia, que ocorre no Hospital Veterinário.

“O programa prioriza famílias com até um salário mínimo; pessoas em situação de vulnerabilidade social (que tenham moradia inadequada, estejam desempregados ou residindo em áreas de situação de risco epidemiológico) e também aquelas inscritas em programas sociais do Governo Federal”, explica Oriana.

O coordenador técnico do hospital Veterinário, Francisco Lima, ressalta ainda outros benefícios da castração. “Essa cirurgia, que não tem muita complexidade, contribui para evitar doenças do sistema genital e surgimento de tumor como o de mama”, explica.

Da Redação

Comente através do Facebook