Grupo leva alimentos e orientação jurídica a venezuelanos acampados em Teresina

Publicada em 10 de junho de 2019 - 11:53

Imprimir
Grupo leva alimentos e orientação jurídica a venezuelanos acampados em Teresina

Última atualização: 10 , junho 2019 - 11:53

Um grupo formado por membros da Associação Ambiental Caneleiro – Ambic – visitou dois pontos de concentração de venezuelanos na zona norte de Teresina e levou cestas básicas. Um dos pontos é a Associação dos Pescadores do Poti Velho e o outro uma casa localizada no Loteamento Mocambinho.

Ao todo, o grupo levou 28 cestas contendo itens alimentícios básicos, como farinha, óleo, arroz, feijão, dentre outros. A Associação dos Pescadores do Poti Velho já abriga mais de 70 pessoas. Um dos líderes é Rafael. Ele explica que viviam em uma comunidade chamada Winikina, pertencem à tribo Warao e resolveram vir para o Brasil em busca de melhor qualidade de vida. Com o grupo estão muitas crianças, a maioria com menos de dois anos.

“Aqui somos todos irmãos. Nós estávamos em Belém (PA), muitos morando em casas e tínhamos que pagar aluguel, mas ficou caro e o dinheiro que arrecadávamos pedindo na rua não deu mais para pagar o aluguel”, relatou.

Com a ajuda da comunidade e da Prefeitura, eles conseguiram bebedouro, fogão e geladeira para conservar e cozinhar os alimentos.

O outro grupo está em uma casa de apenas um quarto e uma sala, localizada no Residencial São José, loteamento Mocambinho, também na zona norte. Neste local estão abrigadas cerca de 38 pessoas, a maioria mulheres com seus filhos. A casa pequena não comporta todos na hora de dormir. Os vizinhos ajudam como podem com material de higiene, alimentos e colchões.

Além das doações, os venezuelanos estão pedindo ajuda em dinheiro nas ruas e semáforos da cidade. O presidente da Ambic, Joaquim Pedro Almeida orientou as famílias que evitem levar seus filhos nessas ocasiões. “Temos membros da Defensoria Pública no nosso grupo de ajuda e eles orientaram as famílias a não levarem suas crianças quando saírem para pedir dinheiro. No Brasil há legislação específica para a proteção infantil”, explicou.

Leonardo José Lima, vice-presidente da associação, disse que a Ambic continuará arrecadando donativos para auxiliar os grupos de venezuelanos que estão em Teresina. “Estamos procurando auxiliar nas necessidades básicas deles. Trouxemos as cestas de alimentos, mas identificamos também que eles necessitam de material de limpeza e higiene e ainda fraldas descartáveis para as crianças”, afirmou.

Também integram o grupo Yves Ranyery Machado de Abreu, secretário executivo da Ambic, e o colombiano José Abrahin, que veio a Teresina para um intercâmbio e auxiliou nas conversas com os venezuelanos.

Leilane Nunes

Comente através do Facebook