investigação

Operação Itaorna: Secretarias do Estado são suspeitas de fraude em licitações

A operação é coordenada pelo Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI), que cumpriu oito mandados de busca e apreensão

Publicada em 12 de setembro de 2018 - 10:16

Imprimir
Operação Itaorna: Secretarias do Estado são suspeitas de fraude em licitações

Última atualização: 13 , setembro 2018 - 10:28

Computadores, pen drives, celulares e documentos foram apreendidos na manhã desta quarta-feira (12/09) durante a Operação Itaorna, que investiga a prática de fraudes em licitações. Os alvos são as secretarias de Turismo e Desenvolvimento Rural, além do Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI), Coordenadorias de Desenvolvimento Social e Lazer e Coordenadoria de Combate à Pobreza Rural.

A operação é coordenada pelo Ministério Público do Estado do Piauí (MPE-PI), que cumpriu oito mandados de busca e apreensão expedidos pelo Juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Teresina.

Os trabalhos tiveram apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado no Piauí (GAECO) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

GOVERNO DO ESTADO SE DEFENDE

O Governo do Estado do Piaui se manifestou, por meio de nota, sobre a operação Itaorna e se defende. O texto informa que o órgão sempre cumpriu todas as diligências, como entrega de documentos e colabora com as investigações.

A nota ainda diz que nenhum servidor público foi investigado nesta operação.

Confira nota completa:

O Governo do Estado do Piauí informa que a operação Itaorna, deflagrada nesta quarta-feira (12), tem por objeto constatar se a empresa investigada teria capacidade operacional ou não de realizar as obras e de se habilitar nos processos licitatórios, o que levaria à conclusão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do Ministério Público Estadual (MPE) que poderia haver indícios de fraude nos processos licitatórios.

O Governo do Piauí sempre cumpriu com todas as diligências requisitadas, sempre entregou os documentos requeridos pelos órgãos de controle e colaborou com todas as investigações. 

Nenhum agente público é investigado neste caso. É importante frisar, também, que o governo sempre prezou pela transparência de todos os seus atos e assegura que todos os processos licitatórios obedecem aos trâmites legais e obrigações jurídicas, tendo tramitado pela Controladoria e Procuradoria Geral do Estado.

Por fim, asseguramos que documentos e contratos são públicos e disponibilizados de forma permanente e rotineira para o TCE, não necessitando de ações judiciais para se ter acesso a eles. 

Comente através do Facebook