Investigação

Acusado de matar casal queimado será submetido a exame de insanidade

O exame de insanidade mental irá comprovar se José Fernando possui de fato algum tipo de transtorno mental e se tinha consciência do que fazia.

Publicada em 12 de julho de 2018 - 15:30

Imprimir
Acusado de matar casal queimado será submetido a exame de insanidade

Última atualização: 13 , julho 2018 - 09:55

O Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) vai exigir o exame de insanidade em José Fernando Pereira Gonzaga, 47 anos, acusado de matar queimado o irmão e a companheira no Bairro Piçarra, zona Sul de Teresina. O caso ganhou dimensão após a família pedir Justiça e suspeitar que o acusado sofra de transtornos mentais.

A filha de Luiz Pereira Gonzaga, Raquel Soares, revelou ao Portal Piauí Agora, que além do crime que tirou a vida de seu pai e da companheira dele, José Fernando já teria tentado abusar sexualmente da própria mãe e tentado matar duas vezes o irmão, que acabou sendo de fato sendo morto por ele.

“O assassino do meu pai, estuprava a própria mãe e tentou diversas vezes matar meu pai e inclusive, a irmã deles. Não tem nada de louco, que “doença” é essa que não o impediu de tirar a CNH? Que seja punido pelo crime covarde que cometeu contra meu pai”, desabafou.

Segundo o delegado Francisco Costa, o Baretta, diretor do DHPP, o laudo será decisivo para definir se o acusado será preso pelo homicídio ou se deverá cumprir medida de segurança.

“Vamos requisitar ao IML,  o exame de insanidade que será feito por uma equipe multidisciplinar. Precisamos confirmar se ele esteve internado no Aerolino de Abreu, se vinha se tratando no Caps. É preciso saber se no dia do crime, ele tinha o entendimento do ato que estava praticando”, destacou.

O delegado Baretta destaca que apesar de ser um crime hediondo, deve ser tratado com cautela, já que o acusado tem histórico de transtornos mentais.

“Se for constatado que ele não tinha entendimento, vamos concluir o inquérito, relatar e mandar para a Justiça. Em seguida, o juiz encaminha para o Ministério Público a  denúncia. É um processo normal, só que ele não recebe pena, mas medida de segurança que poderá ser um tratamento ambulatorial ou internação compulsória em um manicômio judiciário”, finalizou o delegado.

INTERNADO 

Para o Centro de Assistência Psico social (Caps III), José Fernando apresenta um quadro de esquizofrenia e vem realizando tratamento desde 2011. No momento, o acusado segue internado em um hospital psiquiátrico em Teresina.

 

Comente através do Facebook